VIIIevidosol/Resumos

De Wiki do texto Livre

Índice

Resumos

A dança em cena: do palco à tela do computador

Trilha: Cultura Livre

Isabel Cristina Vieira Coimbra Diniz bel.coimbra@hotmail.com


Resumo: A problemática deste trabalho trilha pelo entroncamento por onde passam a dança como linguagem, a relação espaço-palco e espaço-virtual e a linguística com uma abordagem semiótica. Trata-se da relação-passagem entre a dança realizada no palco e a dança na tela do computador. Partimos da hipótese de que em meio á grande variedade de publicações de espetáculos de dança no ciberespaço, o sujeito-destinatário possa encontrar, acessar, fazer leituras, extrair e interagir com textos em dança (publicados na web), produzindo sentido e conhecimento. Um dos objetivos é compreender traços da dramaturgia da dança na tela do computador tendo a Semiótica Francesa como via de acesso. O corpus deste trabalho é um trecho do espetáculo “Sagração da Primavera” de Pina Bausch publicado no YouYube.


A disposição dos parâmetros de avaliação em cursos a distância

Trilha: Ensino na Internet

Roberta Takahashi Soledade robertaeurich@gmail.com


Esta proposta visa analisar comparativamente a disposição dos parâmetros avaliativos apresentados em dois ambientes virtuais de aprendizagem, e como a organização dessas informações torna o ambiente virtual mais objetivo e eficaz durante a busca das informações. Mas como saber qual a melhor forma de apresentar os critérios de desempenho? O que flui melhor no ambiente virtual: instruções detalhadas ou genéricas? Qual o melhor local para disponibilizar essas informações: na página inicial do curso ou antes de cada atividade? Como material de análise, utilizou-se duas instituições de ensino fortemente atuantes no mercado EAD: a Fundação Getúlio Vargas e o Senac Rio de Janeiro. Ambas utilizam a plataforma virtual Moodle, e os cursos analisados são da modalidade de pós-graduação.


A dona da história: A retórica do enunciador e a semiótica na narrativa fílmica

Trilha: Cultura Livre

Liliane Scarpin S. Storniolo liliane.ss@unitins.br


Resumo Analisar- se- á neste artigo a transposição da obra literária “A dona da história” de João Falcão para o Cinema através da transcrição de falas das personagens, observando-se as digressões no tempo ocorridas no decorrer da narrativa fílmica. A abordagem teórica será feita através da semiótica de origem francesa partindo-se do conceito da estrutura elementar da significação geimasiana (Percurso Gerativo do Sentido) que nos possibilita um conhecimento intertextual, sendo assim, também é importante focalizar nesse contexto a Análise do Discurso com base nos estudos propostos por Mikail Bakthin.


A heterogeneidade de sentidos do discurso midiático sobre o autismo

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Cynara Maria Andrade Telles cynaratelles@ig.com.br, Lucília Maria Sousa Romão lmsromao@uol.com.br, Nádea Regina Gaspar nagaspar@terra.com.br


RESUMO: O objetivo deste trabalho é investigar a materialidade discursiva dos discursos sobre o autismo. O referencial teórico será a Análise do Discurso de matriz francesa, que tem como objeto de pesquisa o discurso materializado na língua, falado, escrito e documentado pelo ser humano, aqui denominado sujeito. Este conceito, segundo a teoria referida, implica na entrada no universo da linguagem, pelo estabelecimento fundante da falta, e de uma referência ao outro ideológico, que afeta o seu dizer, por marcar uma memória, uma anterioridade que se manifesta no discurso. O sujeito aqui se situa num determinado contexto sócio-histórico, que na exterioridade de seu dizer, circula em diversas posições, por poder se movimentar e discursivizar. Utilizando também conceitos teóricos como discurso, ideologia, e heterogeneidade, realizaremos neste trabalho, a análise interpretativa das marcas discursivas sobre as características do autismo extraídas de um site na internet que pretende orientar pais, familiares e amigos. A intenção destas análises é seguir os movimentos e caminhos do sujeito entendido aqui como posição, que segue migrando de um lugar para outro, estabilizando alguns sentidos e silenciando outros. A análise discursiva dos dados aponta vários dizeres no modo como a mídia faz circular sentidos sobre o autismo, em especial, do discurso médico-científico que inscreve um saber autorizado socialmente reconhecido, regulariza diagnósticos, enquadrar e criterizar patologias, sendo então tomado por outros sujeitos em seus discursos. PALAVRAS-CHAVE: sujeito, autismo, discurso midiático, ideologia, memória, heterogeneidade.


A Linguagem na Interação Professor Aluno na Era Digital

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Ademar Felipe Fey ademar.fey@gmail.com


A proposta é uma discussão de professores de todos os níveis que enfrentam o desafio de ensinar para nativos digitais, sendo ele próprio um imigrante digital. O avanço da tecnologia na sociedade provoca um desafio para a escola e para os professores: qual a linguagem a ser utilizada na interação com os nativos digitais? Que mudanças em sua prática educativa os professores deverão promover para enfrentar o conflito entre o professor imigrante digital e o aluno nativo digital? Como a escola deve se reestruturar em face da cultura digital cada vez mais presente na sociedade atual?


A literatura no ensino de francês língua estrangeira mediada por computador

Trilha: Ensino na Internet

Frank da Silva Gonçalves frankup@gmail.com


RESUMO Neste artigo propomos uma discussão em relação ao emprego de textos literários no ensino/aprendizagem de francês língua estrangeira (FLE) mediada por computador. Nosso objetivo é informar ao professor sobre as perspectivas metodológicas até então utilizadas e abordar aspectos relevantes sobre a importância e aproveitamento desse material autêntico.


A noção de software como objeto sígnico e os pontos de alteridade

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Aguinaldo Gomes de Souza aguinaldo@souza.pro.br


Quando a Xerox desenvolveu a primeira GUI (graphical user interface) na década de 70, do século passado, ela abriu o mundo da informática para um campo ainda pouco explorado: o da manipulação direta através de elementos semióticos. Existe, por certo, a ideia de que o computador é usado através de signos, cada aspecto deste, da mais simples linguagem a uma interface de última geração, são signos. Estudar os signos em softwares, entender como eles funcionam, é entender o ambiente (físico) das enunciações em meio digital. Neste trabalho - cf. Souza, 2010 - estudamos os signos nas interfaces dos softwares como marcas ideológicas de um eu e de um outro (BAKHTIN, 1996) que perpassam por relações de alteridade. Para tanto, observamos e descrevemos como a interface do software de webmail, interage com o sujeito utilizador, ao enviar chamados (enunciações que aparecem na interface) dos autores/desenvolvedores desse software. Intuímos que os signos nas interfaces dos softwares são objetos semânticos que se adaptam e se moldam em situações de interação. Eles evocam sempre do sujeito usuário, uma atitude responsiva ativa uma vez que são pontos de manifestação do eu e do outro. Observamos e descrevemos também as relações de alteridade que se estabelecem entre os protagonistas da atividade, interface-sujeito-utilizador com base nos postulados teóricos da Teoria Dialógica da Linguagem (BAKHTIN, 1997) e da Ergolinguística (SCHWARTZ, 2002 a;b e FAÏTA, 2002). Concluindo que a interface do software é uma coleção de signos que são interpretados por sujeitos em interação com o artefato computacional.


A Normose Informacional nas Redes Sociais

Trilha: Comunidades Virtuais

Carlos Henrique de Souza Medeiros chmsouza@gmail.com


Este trabalho propõe uma reflexão sobre os sintomas da Normose Informacional nos usuários das redes sociais. O estudo visa ainda refletir sobre o ritmo acelerado em que se vive na sociedade contemporânea, caracterizada por mudanças cada vez mais velozes, onde a única constante parece ser a busca incessante pela informação instantânea. Esta apresentação busca também identificar estes sintomas entre os usuários das redes sociais, os Imigrantes e Nativos Digitais, apontados nos estudos de Prensky (2001) e Small e Vorgan (2008), bem como as conseqüências dos indícios da Normose Informacional entre esses dois perfis, tendo por base o trabalho de Weil (2000) e Weil, Leloup e Crema (2003).


A realidade por trás das migrações para Software Livre

Trilha: Inclusão digital

Jerônimo Medina Madruga jeronimo.madruga@gmail.com


Com a crescente popularização do Software Livre, as migrações de diversos ambientes para esta filosofia está se tornando fato comum. Porém, nem todas as migrações vem sendo bem sucedidas, originando diversos questionamentos quanto a efetividade do Software Livre. Essa palestra visa analisar esses problemas, e definir estratégias para realizar uma migração bem sucedida.


A repercussão da avaliação dos componentes curriculares de um curso de pós-graduação a distância na qualidade do material didático e interações em AVEA

Trilha: Ensino na Internet

Danilo Ribas Barbiero danilobarbiero@yahoo.com.br


Esta proposta retrata a repercussão da avaliação dos componentes curriculares de um Curso de Pós – Graduação na qualidade do material didático e sobre as interações no Ambiente Virtual de Ensino – Aprendizagem (AVEA) Moodle. Os temas ‘material didático’ e ‘interação em AVEA’ foram abordados considerando – os como elementos fundamentais no processo de ensino – aprendizagem em Educação a Distância (EAD) bem como decisivos para a qualidade dos cursos nesta modalidade educacional.


A utilização de ambientes virtuais de aprendizagem como recurso didático em um Curso Superior de Tecnologia: o relato de uma experiência educativa inovadora

Trilha: Ensino na Internet

Adriana Netto Silva adriananettos@gmail.com


Um dos desafios enfrentados pelos docentes de Cursos Superiores de Tecnologia é o de contribuir para o fortalecimento de uma formação crítica e criativa dos educandos, superando as limitações que uma formação estritamente técnica pode ocasionar. Nesse sentido, é necessária a constante busca pelo desenvolvimento e utilização de recursos didáticos que favoreçam a produção de conhecimento pelos estudantes, contribuindo para a sua atuação na sociedade. Uma possibilidade de que vislumbramos é o uso das tecnologias digitais como ambiente propício ao desenvolvimento de uma cultura colaborativa (NOVAK,1999) KENSKI(2003) e de uma aprendizagem significativa (AUSUBEL, 1982). E é exatamente nas potencialidades pedagógicas dessas ferramentas digitais enquanto recurso didático que reside um dos maiores desafios aos docentes: como exercer uma postura de orientador do processo ensino-aprendizagem em um ambiente virtual? Como motivar os estudantes para o uso desse ambiente para a produção coletiva de conhecimento? O presente relato de experiência apresenta o uso de uma ferramenta colaborativa da internet para a produção coletiva de conteúdo pelos discentes. Os resultados do trabalho apontam aspectos relativos às potencialidades e limitações dessa estratégia didática


A Utilização de Ambientes Virtuais de Aprendizagem numa Disciplina de Ensino Superior

Trilha: Ensino na Internet

Luciana Guimarães Rodrigues de Lima lucianagrlima@globo.com


Apresento o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) denominado Sala de Aula Online do Portal Espaço GD e as ferramentas que foram adotadas.O objetivo desse aabiente dar apoio às aulas presenciais da disciplina Geometria Descritiva, com a utilização dos recursos da Plataforma Quantum.


Actividades TIC en manuales de E/LE para brasileños escogidos por los PNLD 2011 y 2012

Trilha: Inclusão digital

Gonzalo Abio gonzalo_ufal@yahoo.com.br


De acuerdo con los análisis hechos por especialistas, en las versiones de 2012 y 2011 del PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) dedicados a la Enseñanza Media y a los últimos años de la Enseñanza Fundamental, respectivamente, ya están escogidos los manuales de Español Lengua Extranjera que serán distribuídos a los alumnos de las escuelas públicas. Esas acciones representan un paso de avance y la solución a un pedido realizado por los profesores hace muchos años que permitirá que los alumnos tengan acceso a materiales de calidad y gratuitos. En esta presentación quiero mostrar y analizar las propuestas de uso de las TIC presentes en esos manuales de E/LE seleccionados por ambos PNLDs.


Alfabetización Digital Básica

Trilha: Documentação em Software Livre

Daniel Armando Rodriguez daniel.armando.rodriguez@gmail.com


Esta propuesta apunta a salvar la brecha que se generara con la implementación del programa Conectar Igualdad en la Argentina al incluir dos sistemas en los equipos entregados pero tanto desde la capacitación docente como en el material distribuido se favorece claramente a la plataforma privativa.


Análise de Websites Educacionais em Inglês destinadas ao Público Infantil

Trilha: Ensino na Internet

Simone Maria Frade simonebh20@hotmail.com


O surgimento de várias ferramentas em ambientes virtuais, com dinâmicas de interatividade e conectividade, que incentivam o aprendizado de uma língua estrangeira, trouxe para a sala de aula novas possibilidades de experiências no processo de ensino-aprendizagem. Presenciamos hoje a existência de gêneros digitais que utilizam textos, sons, cores, imagens, infográficos, animações, vídeos, ilustrações, dentre outros recursos que se interrelacionam. Vários são os modos ou códigos semióticos (KRESS & van LEEUWEN,1996) que vão representar juntos os sentidos da mensagem. Por serem ambientes multimodais, este trabalho adota como objeto de estudo o gênero websites educacionais, em inglês, dirigida ao público infantil que podem ser usadas em contexto escolar no Ensino Fundamental, propondo uma matriz onde os descritores possam estabelecer critérios que avaliem sua estrutura organizacional e seus recursos multimodais para fins pedagógicos no ensino de língua inglesa. Esta proposta para matriz não visa estabelecer limites para o trabalho do professor com websites educativas, mas ser uma ferramenta de orientação para escolhas pedagógicas conscientes e que possam realmente contribuir para o ensino de uma língua estrangeira.


Aprendendo na Virtualidade: o ensino-aprendizado de línguas estrangeiras mediado em comunidades virtuais de aprendizagem

Trilha: Comunidades Virtuais

Gerson Bruno Forgiarini de Quadros brunoejenyffer@gmail.com


O presente estudo trata de uma descrição de eventos de aprendizagem em uma grande comunidade virtual conhecida por Livemocha. A pesquisa segue uma abordaem netnográfica, com coleta de dados virtuais e constitui-se num estudo de caso com 3 alunos do Ensino Médio, de uma escola localizada na cidade de Bagé, no Rio Grande do Sul. As primeiras impressões sobre esse estudo estão ligados a fatores motivacionais que influenciam a aprendizagem da língua espanhola mediada por falantes nativos também membros da comunidade virtual.


Aprendizagem colaborativa mediada pelo blog do Moodle

Trilha: Blogs e Wikis

Charlene Oliveira Trindade cha_trindade@hotmail.com, Andriza Machado Becker prof.andriza@hotmail.com


Com o suporte nas pesquisas teóricas acerca da aprendizagem colaborativa e as novas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) aplicadas ao Ensino a Distância, pretendeu-se investigar o uso da ferramenta blog do ambiente Moodle como ferramenta colaborativa de ensino e como recurso de aprendizagem na atividade de ensino a distância Pesquisa na Internet. Os resultados apontam essa ferramenta como um recurso eficiente, interativo e lúdico de aprendizagem, a qual também promoveu um trabalho cooperativo e otimizou a aprendizagem do conteúdo da disciplina. Esse estudo também traz contribuições sobre a utilização dos blogs na educação a fim de estimular futuras pesquisas envolvendo essa ferramenta. Palavras-chave: blogs, aprendizagem colaborativa, educação a distância.


As hemerotecas digitais discursivizadas na web: heterogeneidade discursiva e formação imaginária na rede

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Francis Lampoglia francidusp@hotmail.com


Este trabalho estuda o funcionamento discursivo de duas páginas da web, sendo uma do Arquivo Público do Estado, referente à hemeroteca do jornal Última Hora, e outra referente ao site do jornal O Estado de S. Paulo, mais precisamente à seção “Especiais”, intitulado “Nas páginas do Estadão, a luta contra a censura”. Sob a orientação da Análise do Discurso de matriz francesa, fundada por Michel Pêcheux, com o apoio dos estudos sobre o dialogismo de Mikhail Bakhtin e das discussões sobre o virtual de Pierre Lévy, esse trabalho visa compreender o modo como são produzidos efeitos de sentido sobre o entrelaçamento de vozes que compõem as páginas web analisadas, bem como analisar qual a formação imaginária que tais sites constroem de si e de seus leitores através do discurso eletrônico. Inseridos em um ambiente eletrônico, os sites que abrigam acervos de jornais e revistas, além de constituir um arquivo sob uma perspectiva histórica, também tentam construir uma imagem de si e/ou do jornal que abrigam. Entendendo que a rede mundial de computadores é uma realidade, destacamos a importância de se estudar o discurso presente nos sites como forma de romper com a suposta neutralidade da imprensa e da web.


As mídias e o cantinho de leitura como estratégias de encantamento para a leitura.

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Elisa Aparecida Rissi elysarissi1@yahoo.com.br


As mídias e o cantinho de leitura como estratégias de encantamento para a leitura. Um estudo de caso na cidade de Timóteo. Elisa Aparecida Rissi Maria do Carmo Ferreira dos Santos Adelma Lúcia Oliveira Silva Araújo Esse trabalho aborda a utilização de vários instrumentos midiáticos (vídeo, máquina fotográfica, material impresso) associado ao cantinho de leitura como estratégias de encantamento para incentivo à leitura. A ideia geradora desta pesquisa surgiu frente à dificuldade relacionada a leitura apresentada pelos alunos do 4º ano do Ensino Fundamental, da Escola Estadual José Ferreira Maia, a saber, liam com pouca fluência e, em sua grande maioria, não expressavam compreensão do texto lido. Na coleta de dados foi aplicado um questionário com alunos e com seus pais para levantamento das preferências de leituras e dados sobre freqüência da leitura prática em casa. Com as informações coletadas propôs-se não só uma reorganização do espaço destinado à leitura na sala de aula, mas também uma montagem do acervo da biblioteca a qual fora disponibilizada para ser itinerante, ou seja, poderia o acervo ser disponibilizados para empréstimo para residências dos alunos nos fins de semana. Paralelamente outras atitudes foram sendo adicionadas, tais como, confecção de sacolas de leitura para transporte dos livros da escola para casa e vice-versa; filmagem dos alunos em processo de leitura na sala de aula e a disponibilização das gravações para que os alunos pudessem fazer uma auto-avaliação do seu progresso sozinho e junto aos pais. Os resultados mostraram que houve um maior envolvimento dos alunos com os livros, uma descontração deles nas rodas de leitura e um entusiasmo manifestado ao saírem da escola com as sacolas de leitura, envolvimento também refletido pela postura dos pais em relação ao este projeto.


As Tecnologias na Educação de Jovens e Adultos - Um Estudo de Caso do “Projeto Sexta Legal” em Ouro Preto

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Elizete Aparecida Lima elizetelima.mg@uol.com.br, Adelma Lucia de Oliveira Silva Araujo adelmaa@yahoo.com.br, Maria do Carmo Ferreira dos Santos maduferreira@yahoo.com.br


As Tecnologias na Educação de Jovens e Adultos Um Estudo de Caso do “Projeto Sexta Legal” em Ouro Preto Elizete Aparecida Lima Maria do Carmo Ferreira dos Santos Adelma Lúcia de Oliveira Silva Araújo A proposta deste artigo é discutir o uso das tecnologias na Educação de Jovens e Adultos - EJA tendo como foco de investigação a estratégia elaborada pelos docentes e direção da Escola Municipal Monsenhor João Castilho Barbosa em Ouro Preto, M.G o Projeto “Sexta Legal”. Um grande desafio deste segmento de educação é a evasão em decorrência da sazonalidade de trabalho e da motivação para o estudo. Estes fatores levam os alunos a ausentarem-se às quintas e sextas feiras, uns pelo cansaço pois executam atividades braçais, outros porque conseguem trabalhos noturnos, tais como garçons, vigias e cozinheiro(a)s e, ainda os adolescentes, cada vez em maior número gostam das “baladas”, dentre outros. Diante disso, buscou-se adequar a prática pedagógica à realidade desses atores. Nessa busca continuada de novos saberes e fazeres pedagógicos encontrou-se uma estratégia eficiente de estimular a frequência a escola nos dias acima citados: o uso das tecnologias em sala de aula. A lógica foi dispor os instrumentos midiáticos como instrumento fomentador de discussão em torno dos conteúdos escolares e da dês-hierarquização das disciplinas às sextas feiras, por isso o nome desta estratégia “Sexta Legal”. Os resultados mostraram, adicionalmente, que a maioria dos professores desconhecia o alcance do software educacional livre disponível no laboratório da escola – Linux - como poderoso instrumento pedagógico e por este motivo não o utilizavam. Clama-se por uma oferta de curso de formação para professores deste segmento para o uso eficiente das mídias educacionais, possibilitando aos mesmos criar disposições de se inserir como sujeitos ativos e midiáticos no espaço escolar.


Audacity e a criação de podcast

Trilha: Divulgação de Software Livre

Alice Lapertosa Franco alyslene@hotmail.com, Luciana Regina Vieira lucianareginav@hotmail.com


Objetiva-se apresentar as possibilidades do Audacity como uma alternativa gratuita para a edição de áudio. Por meio desse software, pode-se gravar, executar, importar e exportar arquivos com as extensões WAV, MP3 e OGG. Também é possível analisar a qualidade das gravações realizadas, aplicar efeitos e instalar plugins para ampliar as funcionalidades do Audacity. Essas funcionalidades do software serão exemplificadas para a elaboração de podcasts que serão veiculados em blogs.


Backup 101: Planejamentos e Ferramentas

Trilha: Divulgação de Software Livre

Jerônimo Medina Madruga jeronimo.madruga@gmail.com


Esta palestra visa abordar as diversas ferramentas livres existentes para realização de backup, abordando os seguintes tópicos: Backup em mídias, Clonagem de sistemas, Estratégias gerais para backup, RAID no Linux, Scripts para backup, Sistemas de arquivos com recurso de snapshot, Sistemas de backup avançados, Sistemas de backup para desktop, Sistemas de backup via internet, Sistemas de controle de versão.


Blog como Ferramenta Pedagógica

Trilha: Blogs e Wikis

Antonio Gomes agomesribeiro@yahoo.com.br


O Projeto Blog como Ferramenta Pedagógica não vem assumir o papel de curso básico ou avançado de informática, mais de mostrar a importância que o blog poderá ter para os professores e conseqüentemente para os alunos. O Projeto tem três etapas: 1. Mostrar a importância do blog como ferramenta pedagógica; 2. Ensinar como criar e manter o blog atualizado; 3. Criar um blog (portal) que agregue e acompanhe os blogs das escolas e também dos professores.


Blog e ensino de língua estrangeira

Trilha: Blogs e Wikis

Rafael Ferreira da Silva rafarjbr@gmail.com, Renata Saraiva de Albuquerque Monteiro Thé renata_the@yahoo.com.br


É inegável a contribuição do uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no ensino-aprendizagem de língua estrangeira. Dentre outras vantagens, tais ferramentas oferecem a contextualização, interação e o dinamismo necessários para um bom êxito na aprendizagem. Diante disto, um questionamento surge naturalmente: até que ponto professores e alunos podem vir a se beneficiar com o uso da informática educativa em complemento ao método tradicional? Nesse contexto, o objetivo do presente trabalho é, então, aquele de relatar os resultados iniciais do projeto de pesquisa Blog: catalisador da aquisição de italiano língua estrangeira, o qual confronta dois modos diferentes de desenvolver um dado exercício: no primeiro momento a atividade é realizada normalmente, sem as TIC; posteriormente é incorporado o suporte de um Blog, com todas as suas funcionalidades. Tais resultados serão apresentados à luz de uma pesquisa qualitativa, realizada com estudantes de italiano, em que as funções pedagógicas de uma Tecnologia tipo blog são avaliadas.


Blog para alunos de ensino de português para estrangeiros

Trilha: Blogs e Wikis

Lauana V. M. Brandão lalavmb@hotmail.com


O presente trabalho visa à discussão de dificuldades enfrentadas com a utilização de blog no ensino de português para estrangeiros. Objetiva-se expor dificuldades relevantes a professores de português para estrangeiros com o uso de blogs. Esse recurso, a ser apresentado, ressaltará o tratamento do conteúdo linguístico em práticas sociodiscursivas do contexto brasileiro. Ressalta-se que a utilização de meios digitais no ensino já se faz necessária e precisa se adequar constantemente às atualizações de mercado, visando à integração do aluno como cidadão e como usuário funcional de recurso digital de ensino.


Cidade "Faz de Conta"

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Dóris de Fátima Carneiro doriscarneiro@yahoo.com.br


Uma sociedade com tecnologia de informação e comunicação sempre em mudança, faz com que professores, assuma novas características pedagógicas frente às atuais demandas oriundas do processo de desenvolvimento econômico, social, cultural, político e tecnológico. Dentro desta perspectiva, venho relatar experiências significativas do projeto Cidade “Faz de Conta” em sala de aula, que tem proporcionado novas possibilidades de expressão e comunicação no universo da literatura, de forma lúdica e criativa, interagindo-os às mudanças da nova sociedade da informação e comunicação, formando assim leitores e até mesmo escritores capazes de exercerem plenamente a cidadania. Cidade “Faz de Conta” é um projeto que surgiu diante da necessidade de re significação da prática pedagógica com alunos de 2ª série, no ano de 2000, em uma escola de zona rural do município de Uberlândia, Minas Gerais. No decorrer desses anos, o projeto tem sido executado com várias ações e histórias em diversas escolas de forma transdisciplinar. Na cidade são desencadeadas discussões políticas, sociais de democracia e cidadania ativa, oportunizando assim os alunos a inserirem temas relevantes do seu cotidiano.A cada ano trabalhado, um livro literário é confeccionado, valorizando assim a cultura impressa. A construção do site www.cidadefazdeconta.com.br partiu da necessidade de abranger um publico maior nas votações para prefeito da Cidade “Faz de Conta” possibilitando de forma interativa a participação do leitor, como característica essencial a uma aprendizagem autônoma e significativa no contexto das diferentes mídias e no uso integrado das linguagens de comunicação.


Compreensão auditiva e as TIC

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Rafael Ferreira da Silva rafarjbr@gmail.com, Francineudo Duarte Pinheiro Junior neudo.junior@hotmail.com, Paulo André Lucena Alves pauloalves_it@hotmail.com


A partir das inquietações que surgiram durante nossa experiência de prática docente em um curso de extensão ministrado por nós na Universidade Federal do Ceará, notamos que o trabalho em sala de aula com atividades de compreensão auditiva tem se tornado um grande desafio tanto para os alunos, que, muitas vezes, não compreendem o áudio utilizado como queriam como para os professores, que consideram esse tipo de atividade um pouco difícil de ser explorada em sala, pois além da incompreensão do material pelos alunos ainda encontram dificuldades em encontrar um bom recurso para ser utilizado nas aulas. Frente a esse fato, o professor de língua estrangeira, em nosso caso, de língua italiana, pode se valer das TIC, tecnologias da informação e comunicação, como recursos didáticos, que podem funcionar como ferramentas eficazes durante as atividades que explorem a competência auditiva, despertando, nos alunos, o interesse pela língua em questão e propiciando o envolvimento dos mesmos no processo de aprendizagem. Neste trabalho, pretendemos analisar alguns materiais didáticos disponíveis que contemplam exercícios de compreensão auditiva, investigar as impressões de alunos e professores sobre a utilização desses materiais em sala de aula e sugerir a elaboração e a aplicação de atividades com as TIC que incitem a prática da competência auditiva nas aulas de língua italiana como LE.


Conferência: Software livre na formação de tradutores: algumas estratégias e alguns resultados

Trilha: Documentação em Software Livre

Oscar Diaz Fouces fouces@uvigo.es


Nos últimos trinta anos, o número de instituições de formação superior com cursos de tradução aumentou de um modo espectacular no mundo inteiro, acompanhando o processo de Globalização. Entendemos “tradução” no sentido alargado de “provisão de serviços linguísticos” (de tradução, localização, dublagem, legendagem...) Esses cursos foram concebidos de um modo bastante diferente dos cursos “de letras” tradicionais, nomeadamente pelo facto de eles estarem relacionados com habilitações tecnológicas mais específicas, relacionadas com as novas tecnologias da informação e as comunicações: ferramentas para criar e reutilizar memórias de tradução e glossários terminológicos, para localizar sites da Internet ou programas informáticos, para gerir a própria contabilidade.... Em (quase) todos os casos, as ferramentas privilegiadas são de caráter privativo. Do nosso ponto de vista, porém, os recursos livres de que hoje dispomos permitem desempenhar uma atividade profissional de modo razoável e, portanto, a sua implementação na formação de tradutores faz todo o sentido, também porque parece que devemos esperar das instituições do ensino superior uma clara neutralidade tecnológica que resulta difícil atingir com o uso de programas de código fechado e que nem sempre respeitam os padrões industriais mais comuns para o nosso âmbito.


Considerações sobre novas TICs, Ambientes Virtuais de Aprendizagem - AVAs, autonomia, tutoria e interatividade em EaD Virtual, à luz da Teoria da Complexidade.

Trilha: Ensino na Internet

José Euríalo dos Reis joseeurialo@yahoo.com.br


Analisam-se, sucintamente, os impactos de algumas novas Tecnologias da Informação e da Comunicação - TICs no processo de ensino-aprendizagem em Educação a Distância - EaD Virtual, considerando-se estes elementos: (1) Ambientes Virtuais de Aprendizagem - AVAs; (2) autonomia (HOLEC, 1981; Dickinson, 1987; LITTLE, 1991; PAIVA, 2006); (3) tutoria quanto a tempo, oportunidade e risco (LITWIN, 2001); e (4) interatividade de níveis reativo, coativo e proativo (AZBEL, 2001; PRIMO & CASSOL, 2004), à luz da Teoria da Complexidade (LARSEN-FREEMAN, 1997, 2000, 2002, 2006; CAMERON, 1999; FINCH, 2002; PAIVA, 2002, 2006; PARREIRAS, 2005; BRAGA, 2007; LARSEN-FREEMAN & CAMERON, 2008; MARTINS, 2008; SILVA, 2008). Tecem-se considerações sobre os papéis e a importância da autonomia do aprendiz e da tutoria para a interatividade em ambientes virtuais de aprendizagem, tendo como base os tipos de interatividade propostos por Simns (2001): de objeto, linear, hierárquica, de suporte, de atualização, de construção, refletiva, de simulação, de hiperlinks, contextual não-imersiva e virtual imersiva.


Construção coletiva de um evento na Web: uma experiencia dos tutores a distancia do curso de Pedagogia da UAB/UFJF

Trilha: Hipertexto

Ana Paula Santos Machado anasjf@yahoo.com.br


Nesta apresentação, buscamos compartilhar nossas experiências acerca do planejamento do I Encontro Regional de Tutores à distância, promovido pelo curso de Pedagogia da UAB/UFJF. Pioneiro em relação à discussão do trabalho de tutoria a distância no Brasil, foi planejado pelos tutores do referido curso, no Moodle, e realizado presencialmente.


Construindo uma publicação com Software Livre e formatos abertos - O case da Revista Espírito Livre

Trilha: Divulgação de Software Livre

João Fernando Costa Júnior joaofernando@espiritolivre.org


A palestra "Construindo uma publicação utilizando software livre: O case da Revista Espírito Livre" tem como proposta desmistificar uma grande questão: É possível construir uma revista utilizando apenas software livre e formatos abertos? Será que o Scribus, Gimp, Inkscape e outras ferramentas gráficas conseguem assumir a posição de um softwares proprietários? Quais os pós e contras em utilizar ferramentas livres na confecção de uma publicação? Existe diferença no processo de produção, já que as ferramentas são diferentes? A apresentação visa esclarecer estas e outras indagações que sempre permeiam a mente de diversos leitores.


Contribuições sociolinguísticas em comunidade virtual de Português/LE

Trilha: Comunidades Virtuais

Francisca Paula Soares Maia fpaolasmai@gmail.com


Esta explanação tem por objetivo relatar como conhecimentos de variação linguística e diversidade cultural, embasados pelos princípios da Sociolinguística Laboviana (cf. WEIREICH, LABOV, HERZOG, 1968; LABOV, 2001), podem favorecer a desmistificação da relação prestígio e preconceito linguísticos (cf. RAMOS, 1997; BAGNO, 1999; BORTONI-RICARDO, 2004), em uma comunidade ‘on line’ de formação/informação de professores de Português/LE. Será apresentado um relato sobre a relevância da visão/prática docente constituída a partir da conscientização/compreensão de que a variação linguística é inerente às línguas humanas e, consequentemente, de que as diferenças linguístico-culturais existem, mas que, ao contrário do que a tradição linguística greco-romana instituiu (cf. FARACO, 2008), ser diferente não é ser pior. Este relato mostra que a variação linguística (assim como a diversidade cultural) requer um espaço em sala de aula, quer seja presencial (Ramos, 1997; Bagno, 1999; Bortoni-Ricardo, 2004), quer seja ‘virtual’. Requer uma abordagem em todos os níveis de ensino e de estudo: do fonológico ao discursivo e pragmático (Maia, 2009) na formação/informação ‘on line’ de docentes em LE. Desta forma, este trabalho mostra como a aplicação dos fundamentos da Teoria da Variação têm contribuído para a desmistificação dos preconceitos linguísticos (Maia 2008 a, b, c; 2009) em uma comunidade virtual, bem como para a formação de valores humanos tais como respeito às diferenças individuais e aceitação da diversidade cultural nas relações internacionais.


Convergências e tensões entre alunos e professores acerca da utilidade do celular em sala de aula.

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Neuza Maria Funchal Paiva neuzafunchal@gmail.com, Adelma Lucia de Oliveira Silva Araujo adelmaa@yahoo.com.br, Maria do Carmo Ferreira dos Santos maduferreira@yahoo.com.br


Convergências e tensões entre alunos e professores acerca da utilidade do celular em sala de aula. Um estudo de caso em Passos – MG Neuza Maria Funchal Paiva Maria do Carmo Ferreira dos Santos Adelma Lúcia Oliveira Silva Araújo A inserção das variadas tecnologias na área educacional tem sido objeto de pesquisas em muitas universidades nos últimos tempos, por isto detectamos tanto defensores eloqüentes quanto críticos de plantão. Entretanto, poucos são aqueles que levam em consideração os anseios dos atores principais (crianças, jovens e adultos) com relação ao uso das tecnologias de informações e transações de dados. Mesmo as escolas públicas que têm recebido do governo federal massivo investimento ainda não concebem a convergência de mídias, como por exemplo, o aparelho celular. Vivemos, segundo Pretto (1999), em uma sociedade chamada de comunicação generalizada ou rede. Rede de malhas óticas, eletromagnéticas e bluetooth velozes nos fluxos Dentro desta perspectiva este estudo busca levantar as convergências e as tensões entre alunos, “nativos digitais” e professores, “emergentes digitais” acerca do uso do celular como instrumento pedagógico em sala de aula.. Foi disponibilizado um questionário aos alunos de 5º ano, com idade média entre 9-10 anos e aos professores da mesma escola. As perguntas investigaram o conhecimento e as crenças que os alunos e professores tinham das possibilidades de uso dessa mídia e seu impacto na construção do conhecimento na sala de aula. Ao final, os resultados mostraram que os jovens, ao contrário dos professores, apesar de não conhecerem seu alcance pedagógico, estão sedentos pela inclusão dessas mídias no dia-a-dia da escola.


Creative Commons e o direito à cultura livre: o papel das licenças criativas frente às limitações do direito autoral na internet

Trilha: Cultura Livre

Honácio Braga de Araújo honacio@hotmail.com, Cláudio Augusto Carvalho Moura ca.carvalho@ufpi.edu.br


Esta proposta visa esclarecer os conceitos referentes à ligação entre licenças Creative Commons e licenças legais (copyright) de utilização das obras intelectuais disponibilizadas em meio digital. Pretende-se tornar compreensível a natureza dessa relação, dando maior enfoque à análise das licenças criativas, a fim de tratar da importância dessa ferramenta para a defesa do exercício da criatividade e da inovação. Tal abordagem mostra-se relevante por conta do atual cenário, denominado por Lawrence Lessig (2004) de “cultura de permissão”, colocada pelos efeitos da defesa dos direitos individuais de propriedade sobre produções do intelecto, proporcionada pela Lei de Direito Autoral (lei 9610/1998). Esse tipo de barreira protetora gera obstáculos ao desenvolvimento livre da cultura e ao direito coletivo de acesso ao conhecimento e à informação. Sua tarefa essencial seria estabelecer um equilíbrio entre os interesses culturais da coletividade e os interesses morais e patrimoniais do criador de obras artísticas, científicas e literárias; contudo, surge um conflito de entendimentos quando se tenta expandir esse tipo de regulamentação ao ambiente virtual (contexto específico), visto que sua aplicação não se mostra tão eficaz quanto no ambiente físico (estrutura geral). Objetiva-se determinar a extensão e eficiência dos limites de uso dessas obras na internet, impostos pelos mecanismos legais do direito autoral, e as possibilidades oferecidas pelo sistema Creative Commons, um instrumento de controle moderado dos usos das obras, cujo intuito é preservar as potencialidades de criação e conexão dos saberes – das artes e ciências – e, assim, manter livre a cultura.


Cultura organizacional e educação a distância

Trilha: Cultura Livre

Roberta Takahashi Soledade robertaeurich@gmail.com


O mundo corporativo está preparado para lidar com a implantação de departamento educacional dentro da sua empresa? Ou será que muitas empresas acreditam não haver essa necessidade? Como é vista a educação alinhada ao propósito da empresa? Para responder a essas perguntas é preciso ir além do projeto de implantação de treinamentos na empresa e entender qual a cultura da organização. Para que os cursos tenham qualidade e resultem em colaboradores mais qualificados, é necessário que toda a empresa esteja preparada para receber, não só os benefícios oferecidos pelos treinamentos e-learning, mas também todas as responsabilidades que envolvem um projeto de educação – que, diga-se de passagem, não são poucas. Existem diretrizes educacionais que não devem ser descartadas em nenhuma hipótese, sob o risco de comprometer o processo de ensino-aprendizagem. Uma empresa comprometida com programas de capacitação sabe que muito mais do que mapear gaps na formação de seus funcionários, é preciso estabelecer a melhor forma de levar o conhecimento a esse público tão variado dentro da empresa. Definir conteúdo, linguagem interatividade, tutoria, recursos digitais e avaliações são, sem dúvida, apenas uma pequena parte do projeto. Cada curso é um “universo” diferente a ser explorado, portanto não existe um único modelo a ser adotado.


Curriculo Integrado via Moodle: uma nova modalidade de capacitação docente on-line

Trilha: Ensino na Internet

Andréa C. Silva andreacsil@gmail.com, Ana Silvia Montrezol profa.ana.silvia@gmail.com, Emilia Kawamoto eekawamoto@hotmail.com, Omair Guilherme Tizzot Filho guitizzot@yahoo.com.br, Patricia Bacchin Zappa pzappa@fundap.sp.gov.br, Solange Carvalho solange.r.cruz@gmail.com


A Fundap utiliza o Moodle desde 2005 nas ofertas de cursos on-line, possuindo um cadastro de mais de 30 mil alunos. A escolha do Moodle foi fundamental para o desenvolvimento de tais projetos, principalmente pelo fato de ser um programa livre, gratuito e com o respaldo de uma grande comunidade, tanto na área educacional, de saúde e de desenvolvimento do software propriamente dito. O curso de Capacitação Docente do Curso de Especialização de Nível Técnico em Enfermagem – Área de Urgência e Emergência foi o evento mais recente, resultado de uma atuação conjunta das equipes do programa TecSaúde, EGAP e Equipe de Design Fundap; todos trabalharam para o desenvolvimento do conteúdo técnico pedagógico, do Design Instrucional do curso e customização do ambiente Moodle. No planejamento desse curso, considerou-se o contexto da educação profissional em enfermagem no âmbito do TecSaúde: 1 - quanto ao corpo docente: possuem conhecimento técnico da área, mas sem formação em docência, além de, a maioria, possuir duplo vínculo empregatício e estar distribuída por todo o estado de São Paulo, o que inviabilizaria qualquer tipo de capacitação presencial contínua; 2 - quanto à implantação do Currículo Integrado: este contribui com a comunidade escolar na área de saúde, pois foge da tradição de currículos fragmentados adotados até então e que não atendem às necessidades da educação profissional do século XXI. Pretendemos com este artigo apresentar a utilização das boas práticas aprendidas, para a criação de um ambiente diferenciado e de atividades interativas, que propiciaram aos docentes a compreensão da sistemática da criação de currículos integrados aplicando a pedagogia problematizadora.


Da praça pública à www: ressonâncias dialógicas do carnaval em wiki-paródia

Trilha: Blogs e Wikis

Kennedy Cabral Nobre cabralnobre@yahoo.com.br


Ao analisar idiossincrasias na obra de Dostoiévski e de Rabelais, Bakhtin (2005; 2010) verifica que os textos sofrem influência direta de aspectos culturais dos festejos carnavalescos da Idade Média e do Renascimento, especialmente no que se refere ao aspecto sério-cômico, o que pode ser atestado pela manifestação de diversas características: em Dostoiévski a atualidade das temáticas, a pluralidade de estilos e a variedade de vozes; em Rabelais, além dessas, há outras características que ressaltam ainda mais seu vínculo com o folclore carnavalesco, como o vocabulário da praça pública – intimamente relacionado com o baixo-ventre, as imagens da festa popular, a imagem grotesca. Esse conjunto de categorias que se prestou à caracterização de uma literatura carnavalizada encontra-se, dado o seu caráter cultural, além das fronteiras da literariedade e pode constituir as mais distintas práticas de linguagem. Na web, chama-nos a atenção a Desciclopédia – uma paródia da Wikipédia – em cujo conteúdo se observa de forma clarividente ressonâncias dialógicas do folclore carnavalesco, tanto na semiose verbal quanto na hipertextual/multimodal. Em decorrência de seu conteúdo livre, isto é, qualquer pessoa pode contribuir e editar os artigos/verbetes, ressalta-se ainda mais que o aspecto cultural do carnaval está disseminado em nossa sociedade. Feita esta contextualização, pretendemos analisar excertos de artigos/verbetes à luz das categorias analíticas de que Bakhtin se valeu para caracterizar como carnavalizada a literatura de Doistoiévski e Rabelais, ampliando o escopo do carnaval ao não-literário.


Das misturas de gêneros na Web: a mescla por gêneros casualmente ocorrentes

Trilha: Produção Textual no Computador

Vicente de Lima-Neto netosenna@gmail.com


As misturas de gênero na internet são bastante corriqueiras, e isso se evidencia em alguns gêneros presentes em redes sociais. Em nossa dissertação de Mestrado, verificamos que o scrap do Orkut permite mesclas de gêneros de pelo menos três formas distintas: mescla por intergenericidade prototípica; mescla por coocorrência de gêneros e mescla por gêneros casualmente ocorrentes. Neste trabalho, descreveremos o último tipo de mescla. Para o alcance deste objetivo, apoiamo-nos na base epistemológica de Bakhtin (1997) para o conceito de linguagem e no aparato teórico da Sociorretórica e da Linguística de Texto (MILLER, 2009; MARCUSCHI, 2008) para compreender o funcionamento dos gêneros numa dada cultura. De um universo de 142 scraps, verificamos que ele se tornou um dos eventos comunicativos de constituição das mais complexas na Internet, a partir do momento em que se constitui pelas misturas de gêneros. Os resultados apontam que as misturas que acontecem na Web são mais evidentes do que as que acontecem em gêneros da mídia impressa e nos permite afirmar que o que se tem sobre misturas de gêneros na literatura especializada não dá conta dos distintos tipos de mesclas que de fato se realizam.


Desenvolvimento da Pronúncia em língua inglesa com auxílio das TDIC

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Marden Oliveira Silva marden_84@hotmail.com


"Desenvolvimento da Pronúncia em língua inglesa com auxílio das TDIC" O presente trabalho busca identificar, sob o ponto de vista dos participantes, quais as possíveis contribuições e limitações oferecidas ao aprendiz pelas Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), no tocante ao ensino de pronúncia da Língua Inglesa. Assim, pretende-se discutir até que ponto vídeos que abordem aspectos fonético-fonológicos auxiliam o aluno na aquisição da pronúncia. O estudo de caso em questão refere-se a um total de 30 alunos-participantes, distribuídos em dois grupos distintos de 15, matriculados no curso de inglês nível básico, módulo I, do Centro de Línguas e Culturas (CLIC), projeto de extensão da Fundação CEFETMINAS, em Belo Horizonte. Através dos diários dos participantes, das notas de campo do professor-pesquisador e do professor-observador, busca-se obter dados importantes a fim de descrever as percepções desses alunos, quanto ao ensino de pronúncia integrado ao uso de vídeos disponíveis na Internet. Permeando algumas teorias, dentre elas a Fonologia Gognitiva (Fraser, 2001; 2010); a Interação (Ellis, 1999; Leffa, 2003) e a Motivação (Warschauer, 1996; Paiva, 1999), além de uma revisão bibliográfica sobre as TDIC, este projeto visa a ampliar as discussões propostas em trabalhos anteriores, bem como construir subsídios para o aperfeiçoamento didático-metodológico na formação de alunos engajados no processo de aprendizagem de uma segunda língua, já que este investiga uma das habilidades detectadas como essencial à comunicação adequada em L2. Palavras-chave: Ensino de pronúncia; Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação; Fonologia Cognitiva; Interação; Motivação.

Desvendando o ecossistema do Software Livre

Trilha: Divulgação de Software Livre

Jerônimo Medina Madruga jeronimo.madruga@gmail.com, Djonatan Buss djonatanb@gmail.com


Essa palestra visa ser uma breve introdução ao software livre, abordando questões como: - O que é Software Livre? - As 4 liberdades essenciais - GNU e FSF - Linux, *BSD e Unix - Quem desenvolve Software Livre? - Mentiras e verdades sobre o Software Livre


Ekaaty 4 Desktop

Trilha: Divulgação de Software Livre

Cristiano Furtado cristianofurtadoba@gmail.com


Quais os Projetos do Time do Ekaaty, seus conceitos e seu funcionamento. Como a distribuição esta dividida e quais as metas.


El software libre: Quandary, una herramienta para aprender lengua extranjera

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Jorgelina Tallei jorgelinatallei@hotmail.com


El objetivo principal de este trabajo es presentar los primeros resultados de un proyecto de investigación que tiene como base la creación de actividades para las clases de idiomas utilizando el software libre Quandary. Mencionado software permite realizar diferentes tipos de actividades, entre ellas los laberintos digitales que pueden ser utilizados como actividades de comprensión lectora, por ejemplo, a partir de un desafío que se le propone al aprendiz. Los laberintos digitales han sido el foco de nuestra investigación, principalmente porque su característica principal es su estructura hipertextual que propicia al alumno varios itinerarios posibles, siendo él quien debe tomar la decisión de seguir un camino. Los laberintos creados para las clases estarán disponibles en un banco de datos que pretende sumar actividades a lo largo de la investigación, así como investigar el proceso de selección de los posibles caminos presentados en cada laberinto, por parte de los alumnos, a fin de investigar cuáles son las alternancias de lectura que realiza entre las varias alternativas posibles. Hasta el momento hemos trabajado con un grupo en la aplicación de un cuestionario inicial y posterior trabajo con los laberintos, los resultados de dicho proceso serán presentados en esta comunicación.


El uso de tecnologías en la enseñanza de lenguas extranjeras, con énfasis en la lengua española

Trilha: Ensino na Internet

Jihrane Prisca Duarte Santos jijisantos@hotmail.com


Este trabajo trata de abordar el uso de tecnologías en la enseñanza de lenguas extranjeras, dando énfasis en la enseñanza de la lengua española. Se destaca la importancia de la computadora y la Web en nuestras vidas y principalmente en el ámbito escolar. Esas herramientas pueden ser utilizadas como mediadoras en el proceso de enseñanza-aprendizaje. Para una mejor comprensión, presentaré una breve retrospectiva histórica de los recursos disponibles para la enseñanza de lenguas y resalto la necesidad de una nueva mirada hacia los aspectos educativos en la era de las tecnologías. El énfasis del trabajo es demostrar el desarrollo de un proyecto de enseñanza integrando las TICs (utilizándose varias herramientas de la Web como Google Doc, WebQuest) con alumnos de un curso de Turismo de Educación Profesional Técnica de Nivel Medio. Con el objetivo de transponer aspectos teóricos de la enseñanza y de las TICs a la práctica en la clase de E/LE, la experiencia de producción y comprensión oral/escrita de este proyecto desarrollado en una escuela pública busca presentar sus beneficios, sus dificultades, sus consecuencias y las reacciones de los alumnos y del profesor. Al fin, se resalta la importancia de permitir el acceso por parte de estudiantes a las tecnologías con el objetivo de multiplicar los caminos hacia nuevos modos de aprender a aprender.


Elaboração de Material Impresso para EAD.

Trilha: Ensino na Internet

Maria Cassilda Ferreira Mártyres cici.martyres@gmail.com


O objetivo desta proposta e incluir o professor no cenário atual da Educação a Distância - EAD está em pleno desenvolvimento, já que ela acompanha o advento das inovações tecnológicas da informação e da comunicação que, associadas ao processo de globalização, vêm transformando a realidade mundial e apresentando, a cada dia, novos desafios para a sociedade e para a educação. É muito importante refletir e começar a atuar nesse novo processo de ensino, já que essa modalidade será muito utilizada nos Cursos de graduação e de Pós-graduação nas IES. Precisamos estar aptos a navegar por esses mares. Saber, também, que esse é um caminho sem volta, principalmente em um país de extensão continental como o Brasil, que possui, por isso, tantas diversidades regionais, em particular a geográfica. Essa modalidade de ensino, Educação a Distância (EAD), vai romper a barreira do isolamento educacional e ampliar as possibilidades e limites da política educacional brasileira.A proposta do Curso é contribuir para a formação profissional e lembrar, sempre, que os aspectos políticos e societários mais gerais é que devem condicionar nossa prática de educador.


Ensino à Distância via Moodle

Trilha: Ensino na Internet

Antonio Arley Rodrigues da Silva arleysb@gmail.com


O Moodle é um software livre distribuído sob licença GPL destinado à aplicação do Ensino à Distância. Apesar das funcionalidades, ainda não é hábito para muitos professores. Muitos não aceitam a idéia de suas atividades muitas vezes estarem sob supervisão de administradores do sistema. Além disso, a necessidade de estruturação adequada da disciplina para aplicação do EAD acaba por desestimulá-los. A proposta tem como objetivo mostrar a influência e as vantagens que o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle exerce na Educação à Distância, como forma de democratizar o aprendizado.


Ensino de Língua de Sinais em um curso a distancia: mediações de tutores na interface fórum

Trilha: Ensino na Internet

Erica Alves Barbosa ericaabm@gmail.com, Daniel Moraes de Souza danleaojf@hotmail.com


Na interação com seus alunos, os tutores da disciplina de Língua de Sinais Brasileira do Curso de Pedagogia a distância da UFJF, por meio de uma atividade, cuja interface usada no Moodle foi o fórum, buscaram (a) explorar a percepção dos alunos em relação a uma língua espaço-visual, (b) demonstrar que os sinais são como as palavras nas línguas orais e (c) trabalhar as características de uma língua de sinais. Considerando isso, a apresentação tratará das estratégias de construção do fórum e de interação com os alunos, usadas por tutores de dois polos, tendo a vista o exercício da docência online e a aprendizagem dos alunos com relação os objetivos propostos . A partir da análise das estratégias de interação empregadas durante o fórum, constatou-se que a mediação pode ser considerada condição sine qua non para o exercício da tutoria, desenvolvimento da aprendizagem dos alunos e construção do conhecimento, visto que a produção que se deu com as postagens no fórum demonstraram o crescente desenvolvimento dos alunos com relação à sua familiarização com uma língua de sinais. Além disso, a análise apontou algumas orientações em relação a construção de um fórum, o qual precisa conter uma "questão geradora" capaz de provocar, orientar e balizar as discussões.


Fanfictions e RPG’s – Liberdade nas Narrativas Contemporâneas

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@gmail.com


Fanfictions e RPG’s – Liberdade nas Narrativas Contemporâneas A presente proposta visa estabelecer reflexão acerca do tema: Fanfictions e RPG’s - Liberdade nas Narrativas Contemporâneas. Da vivência acadêmica e de observações netnográficas, foi possível perceber a construção narrativa que acontece em comunidades virtuais destinadas a publicação destes gêneros digitais, buscando, entender o que são estas comunidades, quem são os membros/escritores, como ocorre leitura e escrita nestes veículos midiáticos e fundamentalmente como se dá a construção narrativa que se constitui alicerçada em preceitos de liberdade, colaboração, interatividade, e fundamentalmente em relações que se estabelecem entre sujeitos. O diálogo conceitual estabelecido entre os referenciais teóricos e a pesquisa de campo, possibilitou mapear o perfil dos usuários, entender como se relacionam com a língua oral e escrita, quais seus hábitos de leitura e de interação, como percebem a leitura no computador e no ato concreto, e finalmente, como esta narrativa se constrói na prática, sendo norteada pela liberdade de relações: pessoais, textuais, conceituais, etc. Foi ainda possível propor algumas alternativas e caminhos para os professores, de ensino fundamental e médio, que recorrentemente sentem-se insatisfeitos com as produções escritas apresentadas por seus alunos na sala de aula. Apontar um caminho outro para o ensino da língua, acolhendo e valendo-se dos novos recursos de tecnologia e mídias para promover a construção de uma identidade autoral autônoma e de um discurso argumentativo baseado na solidariedade, na colaboração e tornando o aluno um sujeito com voz e vez na sociedade contemporânea.


Projeto Chromium: o navegador web e suas possibilidades

Trilha: Divulgação de Software Livre

Gibran Gonçalves Leandro gibran_leandro@hotmail.com, Fernanda Ferreira Pinto ferferreirap@gmail.com, Jéssica Paola Teixeira szjess@hotmail.com, Monica de Oliveira Arruda moa.moni@gmail.com, Raquel Pacheco raquelpacheco1977@hotmail.com, Tatiane Fernanda Tomaz tatunia3@yahoo.com.br


O objetivo é apresentar as potencialidades do Google Chrome e demonstrar como seus constantes avanços tecnológicos contribuem para que ele seja visto como um software inovador entre os melhores navegadores. Para isso, serão analisadas suas funcionalidades nas seguintes perspectivas: a usabilidade da interface gráfica, os aplicativos diferenciados para ampliar as funcionalidades, a diversidade de temas disponíveis para a instalação, a integração com outras tecnologias digitais e a compatibilidade com o html5 e CSS3.

Hotpotatoes: promovendo o aprendizado da Língua de Sinais em atividades

Trilha: Ensino na Internet

Ana Regina Cardoso Cunha anareginacardoso@hotmail.com, Arnaldo Angelo Lino arnaldolino@hotmail.com, Wanderson Samuel Moraes de Souza wsamuelms@uol.com.br


A intenção deste trabalho é refletir sobre a utilização de atividades Hotpotatoes na disciplina de Língua de Sinais Brasileira (Libras) no curso de Pedagogia a distância da UFJF. As atividades encontram-se no ambiente virtual de aprendizagem do curso – Moodle – e foram criadas com o intuito de se promover o contato do aluno com uma língua espaço-visual e estimular seu aprendizado. O programa Hotpotatoes é gratuito, disponibilizado pela University of Victoria, e possibilita a construção de diferentes tipos de atividades (JMatch – exercício de correspondência; JMix – sopa de palavras; JCross – palavras cruzadas; JQuiz – testes de perguntas e respostas; JCloze – preenchimento de lacunas; Masher – associação de atividades). Na disciplina exploraram-se atividades de JMatch e JQuiz construídas com vídeos em Libras, sinais desenhados e/ ou imagens de diversos tipos. Nesta apresentação, abordam-se e se problematizam as atividades que se referem à descrição de formas, características físicas de pessoas famosas, identificação de sinais de cumprimento, apresentação e relacionamento, além de uma atividade que objetiva identificar histórias em quadrinhos (tirinhas) com a sua narração em Libras. Observou-se que atividades de Hotpotatoes podem contribuir com a educação a distância, constituindo-se como uma interessante ferramenta de aprendizado. Portanto, essas atividades tornam-se ferramentas importantes no ensino de uma língua de modalidade espaço-visual no ambiente virtual de ensino-aprendizagem.


Inclusão Digital através do Software Livre na escola estadual São Felipe

Trilha: Inclusão digital

Andrik Ferreira andrik_dyckk68@hotmail.com


Com base em uma visita a escola estadual São Felipe na cidade de Santarém no estado do Pará, observamos (eu e meu grupo) o total abandono do governo em relação aos computadores distribuidos com o sistema linux. Nosso projeto teve como finalidade reformar, colocar em funcionamento, dar aulas utilizando o laboratório da escola. O projeto foi muito elogiado, está dando muito certo e já com convites para faze-lo em outros locais. Vale a pena compartilhar a idéia!


Inclusão digital e a criança com múltiplas deficiências, estudo de caso.

Trilha: Inclusão digital

Flávia Felipe Silvino flaviafesil@yahoo.com.br


Inclusão digital e a criança com múltiplas deficiências, estudo de caso. Trilha: inclusão digital O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo de caso de uma criança com múltiplas deficiências, no seu processo de inclusão digital. A criança com múltiplas deficiências frequentemente não utiliza a fala como modo de comunicação, seus movimentos são limitados e não possui autonomia nas atividades de vida diária. A criança participante deste estudo de caso apresenta paralisia cerebral do tipo atetóide, possui 9 anos e está incluída na rede municipal de ensino. A observação desta criança mostra que existe uma demanda para utilizar a tecnologia como facilitadora da sua inclusão escolar, mas o uso dessa tecnologia realizado por essa criança deve ser investigado para que a inclusão digital aconteça. Dentro deste contexto, este trabalho propõe três caminhos de investigação. O primeiro é apresentar um protocolo que considera as limitações apresentadas pela criança identificando suas necessidades, modificações do ambiente e ferramentas de acessibilidade necessárias para promover a inclusão digital. O protocolo foi aplicado no ambiente escolar, familiar e terapêutico desta criança para garantir uma análise ampla das possibilidades do uso da tecnologia, no seu processo de aprendizagem. O segundo aspecto da investigação é a análise dos dados levantados pelo protocolo, identificação dos fatores que devem ser modificados nos ambientes e selecão do que pode ser utilizado para promover a acessibilidade. O terceiro é propor modificações necessárias para a inclusão digital da criança e verificar a viabilidade dessas modificações. Acreditamos, que uma investigação como essa seja pertinente para auxiliar inúmeras crianças que necessitam da tecnologia para atuar em sua aprendizagem .


Inovação na prática pedagógica: Contribuição das NTIC nos Anos Iniciais

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Francisco Ivanilson da Costa Confessor oservo1@hotmail.com


A proposta tem como temática a utilização das NTIC (Novas Tecnologias da Informação e Comunicação) na Educação, compreendendo os primeiros anos de estudos das crianças (Ensino Fundamental I), destacando sua aplicabilidade e contribuição na aprendizagem dos educandos.


Joomla! para iniciantes

Trilha: Divulgação de Software Livre

Jerônimo Medina Madruga jeronimo.madruga@gmail.com, Djonatan Buss djonatanb@gmail.com


Sempre teve vontade de fazer seu site? Fica na dúvida de qual tecnologia utilizar? Quer uma abordagem mais profissional do que aquele site que você fazia no Frontpage? Acha que alterar diversos arquivos para atualizar uma mudança é massante? Então venha conhecer o Joomla!. A idéia nessa palestra é mostrar os conceitos básicos que formam os sistemas de gerenciamento de > conteúdo (CMS), indo da teoria a prática. Será demonstrada a instalação e configuração de um ambiente para utilização do Joomla!, focando em uma demonstração de seus principais recursos (menus, artigos, plugins, componentes, idiomas, templates, etc…). Por fim, também serão ilustrados os recursos da futura versão 1.6 do Joomla!, listando suas características e mudanças em um dos CMS mais populares do mundo.


Khan Academy, o futuro da educação

Trilha: Ensino na Internet

Paulo Henrique Souto Maior Serrano paulohsms@gmail.com


Khan Academy é um modelo inovador de ensino e aprendizagem online, em que os estudantes aprendem as mais diversas disciplinas através de aulas disponibilizadas gratuitamente no Youtube e exercícios livres disponibilizados no site do projeto. A possibilidade de acompanhamento de todo o processo de aprendizagem do estudante por parte de professores e treinadores é a grande inovação da proposta. Os professores, parentes ou conhecidos podem acompanhar todo o desempenho dos alunos e ajudá-los nas atividades que sentem mais dificuldade. A proposta de apresentação questiona as vantagens de desvantagens do modelo de ensino livre e colaborativo, destacando a possibilidade de sua implementação no Brasil.


Leitura e tecnologia: um convívio do século XXI

Trilha: Hipertexto

Andréia de Oliveria Alencar Iguma dheia_oliveira@hotmail.com, Grazielli Alves de Lima grazi_alveslima@hotmail.com


A proposta que inaugura esta sessão é a de perscrutar possíveis relações no âmbito literário entre informação, leitura e literatura na sociedade datada como século XXI. Verificando o espaço que a leitura literária ocupa entre os textos impressos as telas dos computadores, e ainda, propor reflexões sobre os novos formatos que os livros vêm recebendo, com o anseio em perceber se os avanços tecnológicos contribuem para o tão temido "fim dos livros".


Leituras no ciberespaço: a literatura no Orkut

Trilha: Comunidades Virtuais

Everton Vinicius de Santa evertonrep@yahoo.com.br


Esse trabalho insere-se como ferramenta de detecção de práticas culturais no mundo eletrônico a envolver leitura e a recomendação de textos literários fora do universo escolar. A partir da detecção de tais práticas, busca-se evidenciar os aspectos teóricos da produção e recepção de textos fora do mercado canônico, identificando as práticas identitárias do público leitor em relação ao cânone literário brasileiro. O corpus de estudo é constituído das experiências literárias eletrônicas, por meio de blogues e grupos de discussão do orkut, buscando-se uma análise mais cuidada dos procedimentos percebidos pelo público leitor como de bom valor.


Língua espaço-visual online: desafios da disciplina de Libras no curso de Pedagogia a distância da UFJF

Trilha: Ensino na Internet

Carlos Henrique Rodrigues rodriteos@yahoo.com.br


Com os avanços legais em relação à educação de pessoas surdas usuárias de Língua de Sinais Brasileira, expressos pela Lei 10.436 e pelo Decreto 5.626 que a regulamenta, as instituições de formação de professores e de profissionais da educação para o exercício do magistério viram-se obrigadas a incluir em seus currículos a disciplina de Língua de Sinais Brasileira, tanto nos cursos presenciais quanto naqueles a distância. Pelo fato de a disciplina envolver a abordagem de uma língua espaço-visual, a Libras, seu oferecimento na modalidade a distância traz algumas implicações em relação à sua construção e viabilização na plataforma Moodle. Portanto, refletiu-se sobre as implicações do trabalho online, a partir do Moodle, numa disciplina que visa proporcionar aos alunos, além de conhecimentos teóricos do campo da surdez, o desenvolvimento, em nível básico, das habilidades de compreensão e expressão necessárias à comunicação com surdos usuários de Língua de Sinais Brasileira. Tal reflexão demonstrou a necessidade de um desenho específico e a importância da exploração de diversos recursos visuais e atividades capazes de promover o contato com a Libras de forma dinâmica e interativa.


Mediações nas práticas pedagógicas de letramento de alunos surdos com base nas TIC´s

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Heloísa Andreia de Matos Lins hmlins@unicamp.br


Trata-se da apresentação de um projeto de pesquisa que foca as tecnologias da informação e comunicação (TICs) a serviço do aprimoramento das práticas pedagógicas na área da leitura e letramento de alunos surdos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, utilizando o referencial teórico na perspectiva histórico-cultural e nos Estudos Surdos com foco no Bilinguismo.


Mesa Redonda: Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) em Mundos Virtuais 3D – SLOODLE conectando o Moodle ao SecondLife e outros Mundos

Trilha: Documentação em Software Livre

Andréa C. Silva andreacsil@gmail.com, Simone Garófalo Carneiro sigarofalo@gmail.com


Os mundos virtuais 3D têm surgido como uma das metatendências da educação segundo os relatórios do Horizon Reports, porém a maioria das ações educacionais ainda ocorrem em AVA que utilizam a web de forma tradicional como o Moodle. Uma forma de disseminar a utilização dos mundos virtuais 3D (MV3D) é conectá-los aos AVA web. O SLOODLE – Simulation Linked Object Oriented Dynamic Learning Environment é um plug-in livre e gratuito para o ‘Moodle’ que permite a integração entre o mesmo e o Second Life, é desenvolvido por pesquisadores da San Jose State University e patrocinado pela EDUSERV. O SLOODLE possui sala de bate-papo que une as salas de bate-papo do Moodle e do Second Life; gerenciador de identificação para o Second Life e o Moodle; ferramentas para a criação de testes ou atividades de modelagem 3D; permite a criação de enquetes em que os alunos podem votar(e conferir os resultados) tanto no Second Life quanto no Moodle; fornece ao aluno gestos que aprimoram a interação além de fornecer a possibilidade de criação de apresentações de slides no Second Life e/ou páginas web no Moodle sem ter que passar por longos processos de conversão ou fazer o upload (pago) de imagens. A existência de LMS´s em MV3Ds é importante para ações educacionais que precisam ser mapeadas com a finalidade de cumprimento de alguns requisitos legais além de fornecerem ferramentas para os educadores de tais ambientes. Nessa palestra apresentaremos as principais ferramentas que o Sloodle disponibiliza ao professor para que ele monte seu ambiente de forma modular, as práticas de ensino utilizadas e as novas conexões com Open Sim Grid.


Mesa Redonda: Redes Sociais

Trilha: Comunidades Virtuais

Ana Elisa Ribeiro anadigital@gmail.com, Carla Vianna Coscarelli cvcosc@yahoo.com.br, Júlio C. Araújo araujo@ufc.br


A enviar.


Mesa Redonda: Software Livre e você: como o código aberto pode mudar vidas

Trilha: Divulgação de Software Livre

Jerônimo Medina Madruga jeronimo.madruga@gmail.com, Djonatan Buss djonatanb@gmail.com, Elvio Viçosa Jr elvio@elviovicosa.com, Fábio Olivé Leite fabio.olive@gmail.com


Muitas pessoas ainda encaram o Software Livre como apenas um tipo de tecnologia ou um nicho ligado a idealismos filosóficos. Porém, a realidade é que o Software Livre cada vez mais tende a estar ligado com o passado, o presente e o futuro das pessoas. Tentando mostrar o impacto do Software Livre no profissional moderno, foi concebida a idéia desta mesa redonda com o intuito de compartilhar experiências ligadas ao código aberto e demistificar fatos erroneamentes ligados ao Software Livre.


Música Livre, Música Independente e outros aspectos do cenário de produção cultural brasileiro

Trilha: Cultura Livre

Gleidston Alis Mendes de Campos gleidstonalis@yahoo.com.br, Simone Garófalo Carneiro sigarofalo@gmail.com


O objetivo deste trabalho será apresentar, resumidamente, as principais diferenças entre os conceitos de música livre e música independente. Alguns exemplos serão dados, a fim de discutir e tornar mais claras essas diferenças. Será analisado brevemente também, neste trabalho, o projeto de alteração da lei de direitos autorais brasileira, no intuito de contextualizar o atual cenário de produção cultural em nosso país.


Narrativas digitais interativas como instrumento para a produção textual em italiano L2

Trilha: Ensino na Internet

Lúcia de Almeida Ferrari lualfita@yahoo.com.br


Nesta apresentação serão abordadas as questões práticas do ensino de produção de texto em italiano L2 através das TICS relatando uma experiência feita na Escola Internacional Fundação Torino na IIIMEDIA, equivalente à VIII série brasileira. Os objetivos principais do trabalho foram dois, um de ordem teórica, outro de ordem prática. O primeiro foi o estudo e análise das formas narrativas, em específico dos vários tipos de conto. O segundo foi a produção textual em L2, neste caso em italiano. A utilização das TICs, pelo interesse que desperta nos adolescentes, nos pareceu especialmente indicada neste projeto, também pelo formato que ele se propôs, de contos com variantes narrativas que o leitor pode seguir chegando a finais diferentes de uma mesma história. Foi escolhida a plataforma http://www.onlinegamebooks.com/ para a criação dos contos por ser gratúita e pela facilidade de uso. Os alunos foram divididos em grupos e criaram contos com variantes narrativas segundo um esquema em árvore. O leitor é levado a escolher vários percursos narrativos que podem concluir-se em um único final ou em vários finais.


Nas trilhas da Internet: linguagem em discurso

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Ludmila Ferrarezi mila_fer2003@yahoo.com.br, Lucília Maria Sousa Romão luciliamsr@uol.com.br


Partindo dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso de linha francesa, busco compreender como os sentidos são constituídos na rede eletrônica, quais posições o sujeito-navegador assume para produzir sentidos sobre si e/ou o outro em (ciber)espaços discursivos marcados pela heterogeneidade, incompletude e polissemia. Duvidando de uma concepção estática de língua em que os sentidos são dados a priori, considero as múltiplas possibilidades de significação dadas pelos movimentos de um sujeito cujo dizer é atravessado por outros. Considero também que a virtualidade da rede parece escancarar a multiplicidade que constitui todo discurso, instalando novas formas de ler e produzir sentidos, de relacionar-se com discursos outros, nos quais se pode intervir, de forma mais ampla. Pretendo investigar, ainda, como, ao serem interpelados pela ideologia, os sujeitos filiam-se, de forma inconsciente, a determinadas redes de memória para enunciar sobre diferentes objetos discursivos, atualizando sentidos já ditos e esquecidos em outros contextos e, paralelamente, rompendo com os mesmos. Refletirei, por fim, sobre como se constitui a malha digital, o imbricamento de nós na materialidade dos (hiper)textos digitais, que viabilizam a topologia labiríntica do ciberespaço e instauram uma forma de dizer na rede, que não é igual àquela como se enuncia no impresso.


O celular como estratégia na Alfabetização e Letramento na EJA

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Maria do Carmo Ferreira dos Santos maduferreira@yahoo.com.br, Adelma Lucia de Oliveira Silva Araujo adelmaa@yahoo.com.br, Tânia Mara Brandão Mol taniamaramol@yahoo.com.br


O CELULAR COMO INSTRUMENTO AUXILIAR NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA EJA EM TIMÓTEO Tânia Mara Brandão Mol Maria do Carmo Ferreira dos Santos Adelma Lúcia de Oliveira Araújo Silva As diferentes tecnologias de informação e comunicação têm provocado mudança célere em toda a humanidade. A escola básica, entretanto, não acompanha as mudanças na mesma velocidade, resistindo na inserção dessas mídias ao processo de ensino-aprendizagem. A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma modalidade de ensino que visa o conhecimento da identidade, da cultura e a apropriação dos saberes do trabalho a um cidadão que, apesar de excluído da escola por um tempo, traz um grande patrimônio vivencial consigo de volta à escola. Estes sujeitos precisam de oportunidades para (com) viver (com) partilhar as experiências construídas no convívio com uma sociedade imersa no mundo midiático exigindo da escola práticas educativas diferenciadas. Essa pesquisa buscou compreender qual era o impacto do uso do celular, mídia acessível a esses sujeitos, no processo de alfabetização e letramento de uma classe de 30 alunos do primeiro segmento de EJA da Escola José Moreira Bowen, na cidade de Timóteo. O celular mostrou-se ser um importante instrumento de alfabetização quando usado como ferramenta de interação, leitura e produção de pequenos textos, por exigir características como objetividade e economia de caracteres na escrita. Adicionalmente, foi reconhecida pelos sujeitos sua função no letramento digital quando utilizado como despertador, jogos, internet, câmara, dentre outros funções. Os resultados mostraram que essa mídia é um recurso pedagógico poderoso de inclusão ao mundo letrado e ao mundo do trabalho permitindo a esses sujeitos maior participação na vida social.


O Concretismo brasileiro e os desafios da tecnologia: Objetos verbais em rede.

Trilha: Produção Textual no Computador

Sarah Maria Forte Diogo sarahfortebr@hotmail.com


Pretende-se discutir o movimento literário internacional vanguardista denominado Concretismo, surgido na Europa e no Brasil na década de 50, e suas formas de divulgação no século XXI por autores brasileiros. O Brasil foi o principal centro de divulgação do Concretismo latino-americano com o grupo Noigrandes e os poetas Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. A palestra tem por objeto de estudo um conjunto de textos do concretista Victor Az publicados no site http://concretismo.zip.net/, selecionando como recorte temporal o ano de 2010. As poesias veiculadas no site são fundamentadas na poética concretista, procuram reler poemas consagrados, brincar com o sentido de vocábulos e, sobretudo, construir objetos estéticos que intensificam a semiose literária mediante poemas gráfico-visuais: logogramas, tipo de poesia em que um grafema ou imagem assume o valor significativo de uma frase, poesias visuais que colocam a letra ou a palavra como ferramenta artística e poemas-colagens, em que o texto é construído pelo enxerto de outros textos em sua tessitura. As produções literárias concretistas usam dispositivos estilísticos, sintáticos e semânticos que dialogam com a interação que a internet proporciona, oferecendo uma concepção de texto como ato discursivo dinâmico, socialmente situado, aberto a leituras variadas, que instigam o leitor a refletir sobre a natureza do objeto verbal e suas virtualidades, que são cultivadas pelo Concretismo, movimento receptivo aos desafios da tecnologia.


O educador na Educação a Distância: um novo perfil a ser traçado

Trilha: Ensino na Internet

Cibele Hechel Colares da Costa cibele_colares@yahoo.com.br


A Educação a Distância vem tentando, nos últimos anos, um grande crescimento, tanto nas instituições privadas quanto públicas. Com esta expansão surge um mercado de trabalho frutífero para educadores de todas as áreas, porém, ao mesmo tempo, se faz necessário o aperfeiçoamento destes educadores, visto que poucos cursos de graduação trazem, em seu currículo, disciplinas voltadas para EaD. Com isto, um novo profissional da educação vem se constituindo; um educador com perfil multidisciplinar, ou seja, capaz de lidar com os inúmeros desafios que esta modalidade de ensino exige, como por exemplo, a preparação do material didático diferenciado (mais interativo e dinâmico) e, ainda, o desafio de um contato virtual com seu aluno (através dos chats, vídeo-aulas e web conferências).


O feedback na tutoria online: relato de experiência

Trilha: Ensino na Internet

Cleber Marques de Oliveira cleber_pedagogo@hotmail.com


Descrevo um relato de experiência sobre minha atuação como tutor do curso de graduação a distância em Letras do IFAL, propondo expor uma análise teórica e prática sobre a possível relação entre o feedback do tutor e processo de aprendizagem do aluno que utiliza-se de ambiente virtual de aprendizagem.


O Processo de Ensino/Aprendizagem da Língua Inglesa na Rede Social My English Club

Trilha: Ensino na Internet

Joyce Vieira joycejacinto@hotmail.com


Sabe-se que os recursos tecnológicos vêm ganhando cada vez mais espaço dentro da realidade do ensino e da aprendizagem de um idioma, aumentando, assim, a possibilidade de uma pessoa ter mais contato com ele e praticá-lo com outros estudantes, professores e nativos daquela língua, obtendo mais prazer em aprende-lo, mesmo estando distante. Nota-se ainda que muitas instituições que oferecem ensino de qualidade buscam proporcionar maneiras para que seus estudantes se aproximem da segunda língua pretendida, uma vez que estão fora do país onde o mesmo é falado. Dessa forma, o presente artigo pretende investigar a utilização da rede social My English Club (MyEC) inserida no processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa nesses ambientes, buscando aporte teórico em pesquisadores desta área.


O professor na EaD: um facilitador/mediador do conhecimento

Trilha: Ensino na Internet

José Olavo da Silva Garantizado Júnior garantizadojunior@gmail.com


O presente trabalho tem como objetivo discutir de que maneira o conceito mediação pedagógica pode lançar luzes no estudo da construção do conhecimento entre os participantes de sessões de chat educacional, sujeitos envolvidos no processo ensino/aprendizagem na modalidade de Educação a Distância (EaD). Para isso, empreendemos um esforço para discutir a categoria mediação pedagógica a partir das perspectivas teóricas de Vygotsky (1998), que conceitua a existência de uma mediação simbólica a partir de uma perspectiva interacional, Masetto (2000), o qual apresenta a competência dos professores universitários e as suas habilidades na modalidade Educação a Distância (EaD); Abreu (2002), que discutiu a necessidade de o professor conhecer e dominar o chat educacional para poder torná-lo um gênero eficaz na educação; Gutierrez e Prieto (1994) e Araújo (2006), que analisaram a construção sócio-colaborativado conhecimento no gênero chat educacional. No que tange à modalidade de ensino EaD, partiremos dos trabalhos de Alves (1998) e Elias & Souza (2004), cujos trabalhos focalizam para os aspectos historicistas e a importância dessa nova modalidade de ensino. Os resultados de nossa incursão pela literatura especializada sinalizam para a ressignificação que o professor sofre nos chats educacionais em que atua, assumindo a condição de mediador pedagógico.


O Twitter como ferramenta para o ensino de língua inglesa

Trilha: Ensino na Internet

Sayonara Melo Costa sayonaracosta@gmail.com, Júlio C. Araújo araujo@ufc.br


Com o advento da web 2.0, os sites de redes sociais conquistaram considerável espaço e relevância não apenas no que concerne às interações sociais, mas também na propagação de conteúdos e geração de conhecimento, tornando-se palco para divulgação e pesquisa das mais diversas temáticas. O presente trabalho propõe-se a discutir como as potencialidades de interatividade presentes nos mecanismos enunciativos do Twitter se relacionam com a natureza pedagógica de postagens voltadas para o ensino da língua inglesa. Para tanto, fundamentamos nossas reflexões nos estudos de redes sociais na internet empreendidos por Recuero (2009; 2010), nas reflexões sobre ensino e tecnologia de Paiva (2001) e na etnografia virtual de Hine (2000). Para dar conta dessa proposta, selecionamos, no Twitter, um profile publicamente voltado para o ensino de inglês, em torno do qual girou a construção dos dados, por sua vez, categorizados de acordo com o mecanismo de interação que abrigavam. Da análise dos dados emergiram quatro categorias: usos de uma variante informal do Inglês (abreviações); fornecimento de conteúdos (links); localização de conteúdos (tags) e divulgação de conteúdos (retweets). Os resultados alcançados evidenciaram que as abreviações, as tags, os links e os retweets, recursos de propagação de informações oferecidos pelo Twitter, são redirecionados no intuito de promover o ensino-aprendizagem de língua inglesa. Acreditamos que a elucidação dessa dinâmica abre caminho para pesquisas que busquem compreender como se dá o compartilhamento de informações nas redes sociais, em especial, no Twitter.


O uso de laptops educacionais nas escolas públicas: os avanços na inclusão digital, com o Programa UCA no Pará.

Trilha: Inclusão digital

Edrian Nascimento Biagi Cei edrianbiagi@gmail.com


Esta proposta busca apresentar algumas práticas do uso de laptops educacionais nas escolas públicas das redes estaduais e municipais de ensino contempladas pelo programa UCA (Um Computador Por Aluno), em primeira instância, com experiências vivenciadas no estado do Pará. Analisando os impactos nas competências dos educadores, foram elaboradas atividades de formação semipresenciais dos profissionais para auxiliá-los sobre a inserção dos equipamentos portáteis no cotidiano escolar e, sobretudo, de sua utilização de forma pedagógica. A chegada dos computadores em sala de aula trará desafios à formação e exigirá gestores e professores bem preparados, para que sejam capazes de facilitar à construção do conhecimento, o acesso à informação e o desenvolvimento de uma “cultura digital”. O Programa UCA pode propiciar a melhoria da qualidade de ensino ao ponto que insere a prática docente uma metodologia que visa à aprendizagem dos educandos a partir da aproximação destes com o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).


O uso do CMS Joomla e suas ferramentas hipertextuais na produção de sites educativos e produção de material didático online.

Trilha: Ensino na Internet

Marcos Antonio Pereira Coelho maredumig@gmail.com, Carlos Henrique de Souza Medeiros chmsouza@gmail.com, Daniella Costantini das Chagas Ribeiro dany.costantini@gmail.com, Fabiana Aguiar de Miranda fabianaaguiar09@gmail.com, Jefferson Cabral Azevedo jeffpsi@ig.com.br, Joyce Vieira joycejacinto@hotmail.com


Sabe-se que a Internet é hoje um meio de comunicação, onde facilmente recebe-se, envia-se e modifica-se as informações. A atualização dos conteúdos e os preços relativamente baixos dos provedores de acesso fazem com que cada vez mais, empresas, escolas e outras entidades e instituições tenham o seu espaço na Web. No entanto, nem todo conteúdo é atualizado com freqüência e são concebidos de modo a facilitar o acesso às informações mais relevantes. Uma escola que produza e queira disponibilizar material com alguma regularidade terá necessidades que vão para além de se construir um simples blog. Seria necessário então, criar redes de informações, onde pudessem inserir, modificar e consultar informações, promovendo assim a interação direta com os alunos e a sociedade em geral. O Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Joomla, surge nessa perspectiva, como uma solução para a gestão de conteúdos da web, para a criação de portais educativos. RAHMEL (2010) afirma que uma das principais características do Joomla é a variedade de interfaces personalizadas fáceis de serem usadas e seus suportes adicionais tais como, fóruns, comunidades on-line, chats, artigos, vídeos e redes sociais. Tudo isso disponibilizado na forma de código livre. A presente palestra tem como objetivo apresentar as ferramentas do CMS (Content Management System) Joomla, buscando garantir um espaço de reflexão e ação, quando utilizada na educação por professores e alunos, como proposta de interação e publicação on-line de suas produções e conteúdos de aprendizagem.


O uso pedagógico das TICs no ensino de Língua Espanhola

Trilha: Ensino na Internet

Luciana Santos Oliveira oliveiraluciana87@yahoo.com.br


Esta palestra enfoca uma perspectiva dinâmica para o ensino de Língua Espanhola, já que destaca a interação com as tecnologias da informação presentes no contexto escolar. Como também representa uma proposta metodológica de utilização das tecnologias de forma planejada e organizada, conscientizando alunos e professores da importância desses recursos para a construção de práticas significativas no processo ensino-aprendizagem de Língua Espanhola. Esta proposta oportunizará a construção do conhecimento, a valorização das tecnologias existentes na escola, o estímulo à interação oral, assim como a formação de cidadãos para uma participação ativa na sociedade da informação. Palavras-chave: TIC, escola, interação oral


Ontologias aplicadas à interface linguagem humana e tecnologia

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Abner Maicon Fortunato Batista abnerfortunato@gmail.com


Ontologias têm diversas aplicações em sistemas de Processamento de Linguagem Natural (PLN), tais como tradutores automáticos e sistemas de recuperação e de extração de informação. Ontologias são também o alicerce da chamada Web Semântica, um novo conceito de Web que permite a interoperabilidade entre recursos, fornecendo significado aos sistemas que operam com grandes contingentes de dados na Web, a rede mundial de computadores. Gruber (1993) define ontologia como uma especificação formal de uma conceitualização, ou seja, uma descrição formal dos conceitos e das relações existentes entre esses conceitos em um determinado domínio do conhecimento. No caso de uma ontologia linguística, abordam-se apenas os conceitos lexicalizados em uma língua (Di FELIPPO, 2008). Desse modo, a estruturação de um domínio em uma ontologia linguística se concentra em uma dimensão semântico-conceptual. Este trabalho tem como objetivo demonstrar o processo de elaboração de uma ontologia lingüística para o domínio da Indústria de Artefatos de Borracha, uma área de grande interesse à indústria e à pesquisa no Brasil, porém pouco explorada quanto aos recursos informacionais que esse setor demanda. Para estruturar a terminologia do referido domínio, faz-se uso da Teoria do Léxico Gerativo (TLG) de James Pustejovsky (1995), valendo-se da chamada Estrutura Qualia, que especifica quatro papéis essenciais do sentido de um item lexical, a saber: constitutivo, formal, télico e agentivo. Além disso, permite tratar a polissemia da palavra de modo sistemático, o que torna particularmente interessante o tratamento da ambiguidade nos processos de recuperação da informação.


Operações de retextualização em textos divulgados em sites e no Twitter - o caso dos perfis das universidades piauienses

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Leila Rachel Barbosa Alexandre leilarachel@hotmail.com.br, Bruno Diego de Resende Castro bruno.bdrc@gmail.com, Maria Lourdilene Vieira vieira.marialourdilene@gmail.com


Neste estudo, analisamos textos divulgados na página do Twitter de cinco universidades piauienses (@Comunicacaoufpi, @fsateresina, @novafapipiaui, @IFPI_ASCOM e @faculdadeceut), comparando-os com textos divulgados nos sites das mesmas instituições, com o objetivo de observarmos as funções comunicativas que o microblog Twitter tem em comum com os sites e quais são diferentes, já que se trata de dois meios de comunicação distintos. Neste ponto, julgamos oportuno atentarmos para um processo textual evidente, a retextualização (cf. MARCUSCHI, 2001; DELL’ISOLA, 2007). Isto porque temos, a priori, dois textos, um divulgado no site e outro no Twitter, sendo que o texto divulgado no Twitter tem por base o texto original e primeiramente divulgado no site, logo, aquele é originado a partir deste. Verificamos que o Twitter neste caso funciona como uma “extensão” do site da instituição, pois, ao mesmo tempo em que são divulgadas as sínteses das notícias do site, existe a interação da instituição com os usuários do microblog, que fazem críticas e dão sugestões. Outra função desempenhada pelo Twitter é a de difusão da notícia, pois, originalmente, o site divulga a notícia na íntegra, e o microblog a divulga de forma resumida, mas divulga para mais usuários e permite o comentário e a retransmissão dessa notícia, que alcança, no Twitter, maior visibilidade e importância do que no próprio site. No site não é possível uma resposta rápida e simples às indagações pelos leitores, já, no Twitter, a resposta é, em alguns casos, quase imediata.


Organização da Informação no Museu Virtual

Trilha: Comunidades Virtuais

Geysa Karla Alves Galvão geysakarlagalvao@hotmail.com


Propõe avaliar a memória social que se apresenta no meio virtual, dando como exemplo o Museu Virtual da Coleção Carlos Estevão de Oliveira, levantando a discussão sobre o tema da preservação do patrimônio digital, defendendo a reprodução dos objetos de instituições que preservam os registros e vestígios da humanidade, disponibilizando estes no ambiente virtual, promovendo o livre acesso por meio da internet, pensando como os usuários se apropriam e se relacionam com essas coleções.


Os fóruns educacionais e os constantes desvios de tópico

Trilha: Ensino na Internet

Elaine Cristina Forte-Ferreira elainecforte@gmail.com, Kennedy Cabral Nobre cabralnobre@yahoo.com.br, Vicente de Lima-Neto netosenna@gmail.com


Este trabalho objetiva demonstrar como se desenvolve o tópico discursivo em fóruns da EaD e como há o desvio de tópico, fenômeno bastante corriqueiro neste gênero. Para atingir o propósito do trabalho, embasamo-nos teoricamente no conceito de tópico discursivo, de Brown e Yule (1983), de Jubran et al (1992) e Pinheiro (2006). Além disso, contamos com Koch (2004), que nos apoia nas digressões de tópico, neste trabalho chamado de desvio. Para isto, coletamos 8 postagens de dois fóruns educacionais do curso de Letras da UFC – modalidade semipresencial –, com exemplificações que mostram empiricamente o desvio de tópico. Os resultados apontam para pelo menos três tipos de desvio: foco em um subtópico do tópico central; instituição de um novo tópico e utilização do gênero fórum para outras finalidades.


Políticas de inclusão digital em Palmas – TO: o projeto Palmas Virtual

Trilha: Inclusão digital

Darlene Teixeira Castro darlenetx@gmail.com


Em Palmas, o discurso da cultura digital é presente na esfera governamental que preconiza uma comunicação e interação com as tecnologias pela digitalidade, mas, para que haja uma configuração da cidade é preciso, primeiramente compreender o significado de inclusão digital, as perspectivas existentes, o que vem sendo aplicado nos projetos atuais e os desafios a serem enfrentados. Inclusão digital pode ser considerada como a aprendizagem necessária ao indivíduo para interagir no mundo das mídias digitais, podendo não apenas saber onde encontrar a informação, mas também qualificá-la e torná-la útil para o seu dia-a-dia. Um dos grandes desafios neste processo de inclusão digital é a tomada de consciência para que a grande maioria das pessoas que se encontram excluídas socialmente possam utilizar os recursos da tecnologia da informação e comunicação para ampliação do conhecimento. Para cruzar o fosso da desigualdade não é suficiente oferecer acesso aos recursos tecnológicos, a inclusão digital depende diretamente da inclusão social e só poderá ser realizada como parte de um projeto mais amplo envolvendo parcerias entre governo, sociedade civil e empresas. O artigo tem por objetivo mostrar esse panorama, tendo como pano de fundo a cidade de Palmas – TO.


Políticas Públicas para o Sistema da Universidade Aberta do Brasil

Trilha: Ensino na Internet

Vanessa dos Santos Nogueira snvanessa@gmail.com


Vamos trazer algumas reflexões relacionadas com a Educação a Distância e a forma como essa modalidade de ensino vem se constituindo. Resgatando alguns aspectos históricos do Sistema da Universidade Aberta do Brasil (UAB) segundo as políticas públicas e autores que versam sobre a temática. Acredita-se que exista uma tensão entre as políticas públicas vigentes, que caminha de forma acelerada, e iniciativas que buscam conciliar o balizamento legal e as práticas que contemplem de fato um Ensino Superior a distância flexível, que atenda as necessidades e expectativas da sociedade.


Potencialidades do ensino de línguas em ambiente virtual: (re) pensando estratégias a partir do trabalho com o Moodle

Trilha: Ensino na Internet

Isadora Valencise Gregolin isadora.gregolin@gmail.com


O objetivo do trabalho é apresentar resultados de investigação sobre as possibilidades e limites da utilização da plataforma Moodle em cursos de línguas. Partimos do pressuposto de que a utilização dessa plataforma oferece novas possibilidades de ação didática e favorece o debate sobre as formas de selecionar, organizar, apresentar e trabalhar os conteúdos de um curso. Serão problematizados, nessa comunicação, temas como multiletramento, leitura e escrita em diferentes suportes e interação em ambiente virtual. Para tanto, serão mobilizados conceitos de áreas complementares – Lingüística Aplicada e Teoria da Comunicação – com vistas a aprofundar a discussão sobre as formas de interação e comunicação em ambiente virtual e a otimização de estratégias para o ensino-aprendizagem de línguas nesse contexto.


Produção coletiva e ativação de redes: relatos de experiências de ativismo social

Trilha: Comunidades Virtuais

Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com


A ativação de redes é uma experiência de produção coletiva de ambientes de conversação e interação em programas como Telecentros.BR e Rede Humaniza SUS. O objetivo desta apresentação é demonstrar os processos de concepção, a metodologia de trabalho e os principais resultados que têm sido obtidos no desenvolvimento dessas comunidades virtuais.


Produções textuais coletivas através da ferramenta wiki

Trilha: Blogs e Wikis

Andriza Machado Becker prof.andriza@hotmail.com, Charlene Oliveira Trindade cha_trindade@hotmail.com


Atualmente falar em ensino mediado por tecnologias tornou-se corriqueiro na elaboração de propostas didáticas. Vivemos a emergência de um novo paradigma educacional pautado pela vivência do sujeito contemporâneo que a cada vez mais se vê rodeado de aparatos tecnológicos que permitem novas formas de acesso à informação e ao conhecimento e que são capazes de desempenhar as funções cognitivas humanas. Um recurso hoje disponível e difundido na rede e que também está incorporado como ferramenta em Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAs) é o sistema wiki – capaz de mediar produções textuais coletivas e de contribuir para a formação e manutenção de comunidades virtuais. Explorar esta ferramenta significa reconhecer o ensino de uma forma não linear/tradicional e predispor-se a trabalhar com as potencialidades e fragilidades das produções textuais e também (re) conhecer as construções coletivas como forma de alcançar o ensino interativo. Palavras-chave: wiki, textos colaborativos, ensino interativo.


Professores em formação e ensino de línguas a distância - o projeto Teletandem Brasil: Línguas estrangeiras para todos

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Christiane Moisés Martins jr.anne@gmail.com, Ludmila Belotti Andreu Funo lbandreu@hotmail.com


No panorama atual de estudos sobre o ensino e aprendizagem de línguas assistidas por computador, destacam-se os projetos telecolaborativos, mais especificamente os projetos in-tandem, os quais têm como eixos de apoio a autonomia do aluno, a competência linguístico-intercultural e a reciprocidade. Tais projetos são ferramentas que propiciam o contato de um falante não nativo com um parceiro mais competente (nativo ou não nativo) da língua que está desenvolvendo para adquirir novas habilidades lingüísticas. Esta apresentação objetiva, em primeiro lugar, mencionar alguns benefícios que o projeto Teletandem Brasil – Línguas Estrangeiras para Todos propicia àqueles que desejam aprender o PLE e praticá-lo através da colaboração em meio virtual. Para isso, consideraremos especificamente as percepções de professores uruguaios de PLE com professores brasileiros de língua espanhola em um curso de extensão visando a capacitação de tais profissionais para a implementação de tal projeto nas escolas públicas e privadas de ambos países. Em segundo lugar, pontuaremos algumas implicações lingüísticas referentes à prática de uma língua estrangeira a distância.


Proposta de ensino de escrita colaborativa em Wiki para alunos do Ensino Médio

Trilha: Blogs e Wikis

Francis Arthuso Paiva paivafrancis@yahoo.com.br


O ambiente Wiki permite escrita colaborativa on-line, utilizando recursos como o hiperlink e registro das atividades. Nosso objetivo é relatar projeto desenvolvido por mim com alunos do E.M. do COLTEC-UFMG, visando à criação de uma Wiki para fins didático-acadêmicos. Utilizamos a Wiki disponível gratuitamente em www.wikia.com, que se demonstrou amigável para neófitos e versão em português. A atividade consistia na produção colaborativa de uma resenha dos livros literários lidos. Cada grupo ficou responsável pela produção de uma resenha, que deveria ser produzida no ambiente em regime de colaboração. Pedimos criação de links entre resenhas da Wiki e para páginas externas. Obviamente, esperávamos que o texto produzido fosse do gênero resenha. Através dos registros de atividades da Wiki, pudemos observar que a maior parte das vinte resenhas foi produzida em colaboração. E apenas 6 alunos não participaram ou não foram colaborativos, num universo de 60. As resenhas continham elementos que se espera desse gênero textual. A criação de links foi parte da tarefa que apresentou mais problemas, entretanto. Embora apenas três resenhas não apresentassem links, metade criou links desligados do corpo da resenha e apenas para páginas externas à wiki, o que era esperado por nós. Como primeira experiência na produção de uma Wiki pelos alunos, concluímos que tratar de experiência válida, pois houve engajamento dos alunos, que criaram outros artigos para outros fins. Os registros de atividades da Wiki se demonstraram úteis tanto para explicitar o trabalho realmente feito colaborativamente como para estudo das alterações feitas nos textos pelos alunos.


Proyecto Canaima Educativo.Una segunda visión

Trilha: Ensino na Internet

Hector Colina hcolina@autistici.org


El proyecto Canaima Educativo es una iniciativa del gobierno venezolano para proveer a los escolares de hardware para la generación de procesos de aprendizaje basados en útiles informáticos. Este proyecto busca, también, acercar a niños de pocos recursos económicos a herramientas tecnológicas a las cuales no tendrían un acceso directo sino mediante aulas informáticas o centros de navegación; no obstante, detrás del discurso oficial de canaima Educativo existe una realidad que se abre paso basada en múltiples experiencias pueden sistematizarse tales como: discurso de la pedagogia del oprimido y de Simón Rodríguez y discurso oficial sobre el desarrollo del software educativo, procesos de soporte al hardware que se provee, seguimiento del hardware entregado, colectivos que se agrupan en torno a dicho proyecto, propuestas tecnológicas para dar soporte y otras más. Esta charla es un compendio de experiencias comunitarias sobre el proyecto Canaima Educativo y un acercamiento a las propuestas que se han hecho históricamente por parte de diversos colectivos de software y conocimiento libre venezolanos.


Redes Sociais na Internet: novo modelo de interação e comercialização na web.

Trilha: Comunidades Virtuais

Vera Lúcia Lima da Cruz verinha_phb@hotmail.com


Com o avanço da Tecnologia da informação – TI, os setores da economia, passaram a contar com diversas maneiras de estabelecer contatos ou laços sociais, sendo que, recentemente os recursos e serviços da WWW (World Wide Web) como as redes de relacionamento social destacam-se entre os mais utilizados. Os sites das Redes Sociais como Orkut, Twitter, Facebook e outros, transformaram-se em um fenômeno de enorme popularidade possibilitando novas formas de interação entre pessoas, organizações e negócios. Diante deste contexto, este artigo tem como principal objetivo discutir as possibilidades de interação e utilização das Redes Sociais na Internet como estratégia de comercialização na web. Para tanto, será discutido inicialmente o que são as Redes Sociais, como são formadas e seu papel na difusão de informação. A partir disso, será discutido como se dá a interação e comercialização dessas redes na web.


Relações de Ensinância e Aprendência através do uso das TIC's

Trilha: Inclusão digital

Leila de Almeida Castillo Iabel leila.iabel@yahoo.com.br


Proporcionar a discussão acerca da resistência de professores/educadores/ensinantes em relação ao uso das TIC's nos processos de esinância e aprendência. Dar a conhecer as facilidades que o uso das TIC's podem trazer para a dinâmica da sala de aula, rompendo a barreira existente entre professores e alunos, facilitando, mediando, promovendo a inclusão digital, desmistificando certos conceitos pré-estabelecidos frente web 2.0.


Sites de editoras de livros didáticos pela perspectiva do professor

Trilha: Ensino na Internet

Laura Márcia Luiza Ferreira ferreir.laura@gmail.com


Neste artigo relata-se o resultado de uma pesquisa sobre sites de editoras de livros didáticos em que se investigaram as ofertas de serviços pertinentes ao trabalho do professor da educação básica. Com o intuito de analisar os ambientes de venda e promoção do livro didático, foi realizado um levantamento de sites de editoras de livro didático a partir da expectativa do professor. Dessa forma, procurou-se verificar nos endereços pesquisados o que é ofertado ao professor consumidor do livro didático como a área do professor, ficha pedagógica, atividades para os alunos realizarem online, serviços para facilitar as pesquisas escolares, entrevistas sobre temas relacionados à educação, dentre outros critérios. Foram analisados 10 sites de editoras durante o mês de maio de 2009. Ao final, pudemos perceber que esses endereços eletrônicos não são apenas um portal de venda editorial, mas um espaço que complementa o trabalho do professor com o livro didático adotado.


Software Livre e Educação -­ Recortes de Teoria e Prática

Trilha: Inclusão digital

Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@gmail.com, Daniela Bortolon da Silva danibortolon@gmail.com, Jesualdo Freitas de Freitas jesualdoradio@gmail.com


A presente proposta visa estabelecer a reflexão acerca do uso do software livre na educação. Pretende apontar as aproximações teórico-metodológicas que compreendem o movimento do software livre e uma epistemologia re-significada para a escola contemporânea. Prática esta que se dá através de vivências pedagógicas diferenciadas, tais como o projeto aqui evidenciado. É a busca de uma escola que acolhe a construção de um conhecimento significativo para o aluno, que é construído de forma colaborativa e baseado no compartilhamento dos saberes. A palestra apresentará, além de recortes de teoria sobre educação e software livre, o relato de práticas de uma educação significativa mediada pelo uso de software livre na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre, tal como no projeto ALEMREDE - Alunos em Rede. Este projeto oportuniza a produção midiática e educomunicativa para alunos de ensino fundamental e qualifica os processos de comunicação e produção oral e escrita destes sujeitos.


Software livre na educação: para além da inclusão digital e social, letramentos múltiplos de professores e alunos

Trilha: Divulgação de Software Livre

Jaiza Helena Moisés Fernandes jahmfernandes@yahoo.com.br


Na contemporaneidade as mudanças tecnológicas são velozes, exigindo melhor formação do cidadão. Vencer o domínio capitalista de softwares proprietários, com uso e divulgação de experiências exitosas com softwares livres (SL), é imprescindível. Este artigo destaca a importância da inserção do SL na educação com uma experiência de sucesso na rede de ensino de Fortaleza. O computador promove a construção de aprendizagens significativas conforme Papert (2008) e a aquisição de autonomia e múltiplos letramentos de acordo com as orientações curriculares (MEC, 2008). O Projeto desenvolveu-se entre Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 nas turmas de 2º Ano do Fundamental de duas escolas com resultados negativos no Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC) do Ceará. A intervenção mediante uso do Linux Educacional 3.0 teve o objetivo de analisar o potencial pedagógico do SL para melhoria das habilidades de leitura e escrita e o letramento dos alunos envolvidos no processo. Inicialmente, o professor do Laboratório (LIE) elaborou atividades com os aplicativos writer, kolourpaint, calc, impress e software tuxpaint. Em seguida, as atividades foram desenvolvidas pelos alunos no LIE. Por fim, a avaliação foi feita por meio de entrevista focal. Constatou-se melhoria na motivação e aprendizagem dos alunos nas notas das escolas no PAIC que passaram de 3,0 e 3,5, em 2009 para 6,11 e 5,17, em 2010. Conclui-se que o uso do software livre na educação possibilita a criação e aplicação de recursos pedagógicos e que o SL contribui para inclusão digital e social e letramentos múltiplos de professores e alunos.


Sujeitos e sentidos na rede eletrônica: um estudo discursivo dos blogs

Trilha: Blogs e Wikis

Gustavo Grandini Bastos gugrandini@uol.com.br, Lucília Maria Sousa Romão lmsromao@uol.com.br


Baseado no referencial teórico da escola francesa da Análise do Discurso, esse projeto objetiva uma interlocução com estudos provenientes das áreas de Ciência da Informação, Tecnologia e Sociologia da Informação, tendo como objeto de estudo os blogs no ciberespaço. Sabemos que a rede eletrônica permite ao sujeito caminhar por uma trilha infinita de links, alterando a maneira como ele idealiza tempo, espaço e tecnologias, naturalizando, através dos processos ideológicos, uma aparente posição de liberdade. E isso é definido por novas relações com o tempo e o espaço, inscritas na denominada modernidade líquida que, entre as suas principais características, fluidifica e desfronteiriza os limites do público e do privado. O blog nos parece ser um indício disso, já que é definido como uma escrita íntima colocada à vista e à escuta de todo e qualquer navegador; assim sendo, instala uma discursividade marcada pela heterogeneidade de dizeres e pelas marcas de subjetividade que nos interessam refletir e pesquisar.


Tecnologia da comunicação e interação virtual: a adequação da linguagem em blogs escolares

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Naziozênio Antonio Lacerda zenolacerda@gmail.com


O objetivo deste trabalho é analisar a adequação da linguagem no hipergênero blog escolar. Um estudo sobre esta temática é relevante porque a utilização de uma linguagem adequada em blogs escolares é essencial para a comunicação, a interação virtual e a divulgação do conhecimento. Utilizamos a pesquisa qualitativa, adotando o método da observação participante, complementada pela pesquisa bibliográfica (Almeida, 2005; Komesu, 2004; Magnabosco, 2010). Analisamos a adequação da linguagem em cinco blogs construídos por gestores de escolas públicas estaduais ou municipais no estado do Piauí, cursistas da Especialização em Gestão Escolar a distância, da Escola de Gestores da Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), considerando os seguintes aspectos: nível de linguagem, vocabulário, estilo e promoção da interação. Dos blogs analisados, constatamos que quatro (80%) apresentam linguagem adequada e um (20%) usa linguagem inadequada


Tempo e espaço na educação a distância: quanto tempo dura uma aula online?

Trilha: Ensino na Internet

Ana Cristina Fricke Matte acris@textolivre.org


Uma aula presencial que dura 2h por semana prevê um tempo de trabalho extra-classe. Quanto tempo? entre 50% e 150%, ou seja, entre 1 e 3h de dedicação semanal extra-classe. Se, num curso de qualquer nível, temos 20h de aula por semana, o ideal é que a média seja mantida, para que os alunos não tenham mais do que 40h totais de dedicação ao curso. Uma disciplina online toma quanto tempo? Ninguém costuma valorizar o professor presencial pela quantidade de trabalho que os alunos levam pra casa, embora os exageros e insuficiências sempre venham com conotações valorativas. Neste trabalho vamos analisar mitos, preconceitos e problemas enfrentados pelos atores do cenário virtual da educação a distância, buscando compreender os lados positivos e negativos da percepção muito comum de que a disciplina online ou dá muito mais trabalho que a presencial ou não tem a qualidade esperada. A abordagem semiótica do tema permite discutir as relações tempo/espaço, virtual/real, presencial/online, qualidade/quantidade, dentre outras, como relações tensivas em discursos socialmente moralizados, de modo que se possa entrar no terreno passional do preconceito contra o ensino a distância. Não se pretende propor uma fórmula para o professor enfrentar a questão, já que cada disciplina, e mais, cada turma, é diferente e faz parte do papel do professor perceber e gerenciar essas diferenças da forma mais adequada possível. O que se pretende aqui é trazer o conhecimento necessário para que as escolhas sejam feitas de forma consciente e, assim, sejam as mais apropriadas.


Uma experiência de ensino de Software Livre no programa Mais Educação - MEC

Trilha: Divulgação de Software Livre

Marllus de Melo Lustosa marlluslustosa@gmail.com


Esta proposta se baseia no discorrer da experiência obtida pela inclusão digital realizada através de um processo de capacitação de crianças do ensino fundamental para o uso de software livre em atividades de aprendizagem. Este trabalho de inclusão digital com software livre, no qual fui monitor, foi realizado através do Programa Mais Educação, em parceria com o Ministério da Educação - MEC, Fundo Nacional para o Desenvolvimento - FNDE e Secretaria Estadual de Educação e Cultura do Piauí - SEDUC que, além de outras modalidades, contou com a participação da Escola Pública Estadual Engenheiro Sampaio, tendo o trabalho se estendido a um mês. O público alvo foram os alunos de 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries da referida unidade escolar. Os tópicos abordados nesta proposta se apresentarão na seguinte ordem e forma: 1. Motivação 2. Na Sala de Aula 3. Problemas 4. Uma Breve Reflexão.

Uma experiência de inclusão digital de professores

Trilha: Inclusão digital

Laura Viviani dos Santos Bormann laurabormann18@hotmail.com


Esta proposta visa partilhar uma experiência de formação de professores no que tange o uso de recursos tecnológicos no ensino. Essa ação fez parte de um Programa de Ações Colaborativas para Cidadania Digital – Navegapará - financiado pelo governo do Estado do Pará. O objetivo foi oferecer um curso de Letramento Digital a Professores da Educação Básica, em Formação das Instituições de Ensino Superior e egressos dela. Como metodologia utilizamos um conjunto de oficinas que contemplaram noções básicas sobre informática e o trabalho de construção de Websites por meio do procedimento de ensino de Webquests (DODGE, 1995), a fim de integrar diálogos entre a Universidade (trabalho sistematizado) e Comunidade (experiência). Sabe-se que adolescentes gastam tempo diante de computadores acessando informações diversas, que muitas vezes não são aproveitadas em sua formação e a escola quando adota o uso do computador no seu fazer pedagógico, não procede de forma adequada ou produtiva, principalmente na implementação de pesquisas, geralmente, mal orientadas por professores. Necessitamos modificar os paradigmas educacionais a fim de alcançar resultados mais satisfatórios, porém para que isso possa se tornar realidade, cremos que a formação docente é imprescindível e a metodologia Webquet oportuniza, também, um trabalho mais integrado e em sintonia com as demandas atuais (aliança entre conteúdo e a vida). O curso esteve fincado em bases construtivistas e interacionistas e procurou apresentar alternativas metodológicas para o uso da internet com fins educacionais, favorecendo que o docente elaborasse atividades a serem desenvolvidas em sala de aula.


Uso de ferramentas da Internet no processo de ensino e aprendizagem de leitura e escrita: possibilidades e desafios na visão de estudantes de Letras-Português, na modalidade semipresencial.

Trilha: Ensino na Internet

Adriana Paula da Silva Amorim adrianapaula18@gmail.com


Na chamada sociedade da informação, o consumo de recursos digitais vem tornando-se cada vez mais constante e necessário. Dessa forma, também as escolas – públicas e particulares – estão sendo gradativamente informatizadas e as universidades brasileiras estão cada vez mais envolvidas em pesquisas e formação de profissionais para o uso desses recursos na educação. São exemplos os cursos de graduação semipresencial promovidos pela Universidade Aberta do Brasil (UAB) em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC). O presente trabalho pretende verificar como estudantes do curso de Letras-Português da instituição supracitada, na modalidade semipresencial, compreendem a importância do uso das tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem de leitura e escrita na escola; como as experiências dos alunos com a tecnologia podem influenciar a linguagem utilizada na sala de aula; se pretendem (e como) utilizar os gêneros digitais em suas aulas de Língua Portuguesa. Serão analisadas entrevistas e discussões em fóruns virtuais com, em média, 60 estudantes de dois municípios cearenses que abrigam os polos de ensino do sistema UAB/UFC (alguns deles já atuam como professores da educação básica). Trata-se de um estudo preliminar, para reconhecimento dos gêneros e ferramentas da Internet mais utilizados pelos alunos dos municípios em que a pesquisa ocorrerá, para – partir de então – possibilitar a formulação de novos métodos de ensino e aprendizagem de língua materna utilizando os gêneros digitais.


Uso de novas tecnologias na sala de aula de língua inglesa como apoio as aulas presenciais

Trilha: Ensino na Internet

Renata de Melo Muniz renatynha_muniz@yahoo.com.br


Este proposta está sendo aplicada ao longo de um semestre em um curso de idiomas organizado dentro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Este curso é livro e aberto a comunidade. Todos os interessados podem estudar neste basta que o pagamento de uma taxa semestral seja realizado. Os monitores das turmas são alunos da faculdade de letras da UFRJ e para participarem deste projeto precisam estar cursando (no mínimo) o terceiro período da língua ensinada. Nesta proposta, a monitora regente de língua inglesa oferece aos alunos 4 horas de aulas presenciais e uma modalidade online (onde os alunos gastam aproximadamente 30 minutos semanais). Estes acessam a plataforma Grou.ps e realizam tarefas baseadas no que foi aprendido dentro da sala de aula. Diversos recursos são utilizados dentro da plataforma (vídeos, quizzes, blogs, fóruns e outros). Visto que todas as atividades são assíncronas, ou seja, nenhum usuário precisa estar conectado ao mesmo tempo, o aluno não precisa finalizar todas as atividades em um horário específico, este pode optar por fazê-las no horário e lugar que achar mais proveitoso. Enfim, a proposta tem desenvolvido nos alunos uma certa autonomia para buscarem o conhecimento necessário. Além disso, também tem sido evidenciado um caráter colaborativo, onde alunos têm ajudado e colaborado uns com os outros.


Uso de vídeos e suas possibilidades no ensino de Libras na educação a distância

Trilha: Ensino na Internet

Ana Paula Santos Machado anasjf@yahoo.com.br, Raquel Anunciata Mendes keljf@hotmail.com


Nesta apresentação, demonstra-se que para o ensino de uma língua espaço-visual na educação a distância, com o uso de ferramentas online, é necessária a utilização de recursos diversos que explorem a imagem, o visual. Assim, neste trabalho, reflete-se sobre o uso de vídeos no ambiente virtual de aprendizagem – Moodle, no curso de Pedagogia a distância da UFJF. Ao planejar a disciplina, considerou-se o público ouvinte usuário de uma língua oral-auditiva e que pouco conhece sobre Língua de Sinais Brasileira. Nesse sentido, observou-se que é imprescindível que os alunos sejam provocados em relação ao desenvolvimento de habilidades de compreensão de uma língua espaço-visual. Portanto, o uso de vídeos tem a função de promover o contato dos alunos com a língua. Assim, os vídeos são concebidos como sendo textos em Libras que promovem a familiarização dos alunos com uma língua espaço-visual e, conseqüentemente, possibilitam a reflexão e a discussão de aspectos referentes à estrutura e aos elementos de uma língua de sinais. Outra característica importante em relação ao uso dessa ferramenta é a forma pela qual podemos ligar redes sociais para hospedagem e até mesmo novas possibilidades de hipertextos na Web 2.0. Percebeu-se que não basta a disponibilização de vídeos/ textos em Libras – narrações, diálogos, descrições, etc – pois para que os alunos possam desenvolver habilidades de compreensão desses textos é necessário que os mesmos sejam abordados e explorados por meio de estratégias específicas: tarefas, atividades, discussões, etc.


Utilizando o LibreOffice Calc para o ensino de equações

Trilha: Divulgação de Software Livre

Cicero Pinho Rocha fralverne@eeepmonsexpedito.net


Os professores de ensino médio e fundamental sente bastante dificuldade para transmitir os conceitos iniciais do estudo das equações de primeiro e segundo grau. Para melhorar o processo de ensino aprendizagem se propõe nesta palestra expor possibilidades de produção de material onde se utiliza uma planilha eletrônica como ferramenta para a melhoria desta aprendizagem.


Visualidade e oralidade na teleaula: modo de construir conhecimento

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Denise Sodré Dorjó denise.sd@untins.br


Esse artigo pretende apresentar como a visualidade e a oralidade nas teleaulas interferem na construção de conhecimento dos alunos que frequentam os cursos na modalidade EaD da Unitins.. No cenário, em que Bakhtin e Pierce desvelam o caráter dialógico e social da linguagem, o corpo é um signo entre os signos, permanente tradutor de signos e quase-signos que dão vida aos pensamentos, sendo, então, o sujeito em um processo de semiose, ou seja, de ação de signos. Assim, os professores convertem-se em os agentes da comunicação televisiva, o que exige cuidados especiais em relação à aparência, a postura corporal e dicção, visto que nas aulas televisivas deve haver uma cumplicidade entre oralidade e visualidade para se trabalhar os conteúdos de forma que haja uma aprendizagem mais independente fundada na exploração da sonoridade e da imagem. Por outro lado, ao aluno são necessárias algumas Cabe salientar, que no ensino a distância, algumas habilidades são essenciais aos alunos, como por exemplo, saibam utilizar as novas tecnologias de transmissão de informação, bem como compreendam a ampla gama de informações reunidas na teleaula, e sejam capazes de mergulhar na diversidade das informações veiculadas pelas imagens e sonoridade (exposição oral) desse produto. Em sentido contrário, encontramos a grande maioria dos alunos de EaD, uma clientela de adultos um pouco mais velhos, mergulhados em tradições e costumes, e muito lentamente rompem com suas crenças e valores para que possa separar a televisão da realidade e da ficção, o lazer do estudo. Como se vê, é necessário a percepção de que se está diante de uma nova experiência audiovisual que possibilita nova compreensão de espaço e tempo, de um novo modo de pensar, em que se interconexão de conceitos, ideias e teorias, instituindo ligações provisórias e transitórias, como em uma rede aberta a novas interconexões, surgidas por relações de parceria e reciprocidade, em que o conhecimento acha-se sempre construção e reconstrução.


Web 2.0: reelaboração e mesclas de gêneros e letramentos online

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Lucas Lima de Vasconcelos lucas.vasconcelos.ufc@gmail.com, Júlio César Rosa de Araújo araujo.ufc@gmail.com


As práticas que se desenvolvem no âmbito do universo digital suscitam a utilização de gêneros discursivos específicos. Essa utilização, por sua vez, demanda a sistematização para uma melhor compreensão e uso. Assim, este trabalho propõe-se a relatar uma análise de dados oriundos de um projeto de pesquisa intitulado “Práticas de linguagens na web: links entre letramentos, hipermodalidade e convergência de mídias (Etapa I)”. Nesse projeto, o objetivo é estudar as práticas discursivas digitais para compreender os gêneros e os eventos de letramentos que emergem dessas práticas. Quanto aos procedimentos metodológicos, na medida em que objetivamos realizar um mapeamento do que está sendo produzido no grupo de pesquisa Hiperged, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFC, fizemos uso de dados oriundos de pesquisas desenvolvidas nesse grupo. Desse modo, debruçamo-nos sobre a reelaboração de gêneros audiovisuais que transitam entre TV e web, a mescla de gêneros no scrap do Orkut e os letramentos demandados por atividades de um curso de graduação a distância. Os resultados podem colaboram com o desenvolvimento de futuros estudos que tenham como foco a web 2.0 e as práticas de linguagem que nela se efetivam.


Wordpress, mostre-se ao mundo!

Trilha: Blogs e Wikis

Wenndel Denyson Galdino wenndeldenyson@lajedohoje.com.br


O Desenvolvimento de sites hoje é um processo complexo a usuários que possuem pouco ou nenhum conhecimento sobre linguagens de Programação, essa complexidade desestimula usuários que desejam apenas ter uma simples página web com interface amigável e com funcionalidades de qualidade. O Objetivo da palestra é mostra que é possível desenvolver soluções Web de alta qualidade de forma ágil e segura, sem a necessidade de conhecer linguagens de programação, incentivando leigos a aperfeiçoarem a ferramenta, de forma clara e objetiva.


“Diamantina em Performance: Minha vida de Menina”

Trilha: Cultura Livre

Siane Paula de Araújo sianepaula@yahoo.com.br, Caroline Konzen Castro carolinekonzen@yahoo.com.br


Este estudo é uma proposta de análise sobre o vídeo/dança intitulado “Diamantina em Performance, Minha Vida de Menina”. Uma promoção do Programa de Dança Experimental da Universidade Federal de Minas Gerais concebido durante o 42º Festival de Inverno da Universidade. Os elementos de análise incluem a semiótica peirciana juntamente ao diálogo crítico-reflexivo entre alguns autores, tais como, Lúcia Santaella, Guilles Deleuze e Walter Benjamin sobre a percepção do tempo e do espaço em meio às considerações da narrativa no conteúdo audiovisual. Um emaranhado de linguagens cuja natureza híbrida pode nos sugerir um campo hipermidiático?


Todos os trabalhos aqui publicados estão licenciados segundo a Creative Commons

Creativecommons88x31.png Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Based on a work at Texto Livre: VIII EVIDOSOL/V CILTEC-online.