IIIevidosol

De Wiki do texto Livre

Índice

Resumos

A semiótica do excepcional: um questionamento sobre a acessibilidade cultural para pessoas portadoras de necessidades especiais

Trilha: Cultura Livre

Caroline Konzen Castro
carolinekonzen@yahoo.com.br


  Partindo dos princípios de que cultura livre inclui a idéia de \"livre de preconceitos\" e propõe a liberdade ao acesso cultural, pretende-se, com o desenvolvimento deste trabalho fazer um paralelo entre os princípios do texto livre e da filosofia Ubuntu, de proporcionar um amplo acesso aos meios culturais, à importancia de isso se extender também as pessoas portadoras de necessidades especiais. Por exemplo: quantos clássicos da literatura estão traduzidos em Braile? Qual peça teatral utilizou a linguagem de sinais? Percebe-se o esquecimento da existencia de pessoas excepcionais, que precisam de cultura assim como todos os cidadãos. Assim, verificaremos como o projeto texto livre pode se extender de forma significativa a essas pessoas.

A Tecnologia na Aprendizagem da Matemática com Alunos

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Isac Lopes

isac.lopes@globo.com


Com o uso da tecnologia de informação e comunicação, professores e alunos têm a possibilidade de utilizar a escrita para descrever/reescrever suas idéias, comunicar-se, trocar experiências e produzir histórias.



Análise do Tutorial do programa de análise acústica Praat

Trilha: Documentação em Software Livre

Aline Alves Fonseca
alineafon@yahoo.com.br


Um SL muito utilizado no meio acadêmico por foneticistas e fonólogos é o programa Praat que possibilita a análise e manipulações de sons de fala desde segmentos até a prosódia. Neste trabalho vamos analisar o tutorial do programa Praat, mostrando os pontos positivos, como o vasto conteúdo informacional e criticando alguns pontos falhos, como a organização em links que faz com que o usuário se perca entre os assuntos.


Aplicação do GCompris nas escolas

Trilha: Divulgação de Software Livre

Camila Barros de Abreu
camilabdeabreu@yahoo.com.br


A palestra abordará a questão do software livre educacional, em especial do GCompris. O objetivo é discutir como as atividades presentes em tal software servem de suporte ao aprendizado de crianças na faixa etária de 2 a 10 anos.



As Paixões Semióticas do Amor e da Amizade no Orkut.

Trilha: Comunidades Virtuais

Woodson Fiorini de Carvalho
woodsonfc@yahoo.fr


O presente trabalho analisa e compara as “paixões complexas” (Semiótica Greimasiana) - Amizade e Amor - no Orkut e em sites que visam promover a amizade e encontros amorosos. Essa análise parte da relação tensiva entre os invariantes das enunciações presentes nessas “redes de relacionamento”, sua expressão e conteúdo , temáticas e figuratividade.


Avaliação de qualidade em software de autoria

Trilha: Documentação em Software Livre

Maria de Fátima Franco

mffranco@gmail.com


Análise de documentação do software free,ELO, específico para o ensino de línguas on line.


Avaliação do processso tradutório do software educacional Tuxpaint por um grupo voluntário e virtual de trabalho.

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Adelma L.O.S.Araújo
adelmaa@yahoo.com.br


Este trabalho relata o processo tradutório, versão para o português, do software livre educacional Tuxpaint. Discutiremos os aspectos culturais/linguísticos relacionados ao texto de partida versus texto de chegada. Analisaremos a metodologia utilizada, a saber, a escolha do software educacional, a formação da equipe virtual de trabalho colaborativo e sua execução. Ao final, faremos um relato do estágio atual deste trabalho.


Avaliando a documentação do SAPL (Sistema de Apoioao Processo Legislativo - SL desenvolvido pelo Governo Federal): estudo de caso da Câmara Municipal de Ouro Preto.

Trilha: Documentação em Software Livre

MARINALVA MARIA MARTINS
marinalva@cefetop.edu.br



Hugo Leonardo Siqueira
emailfalsodohugo@falso.com


Espera-se de um sistema de código-fonte aberto que seu suporte lingüístico técnico seja capaz de abrir as portas de acesso para novos usuários, desenvolvedores e colaboradores. Mas, como garantir isso se a maioria dos profissionais responsáveis por documentação de softwares livres não possuem conhecimentos adequados para redação de material? Documentar cada passo da rotina de criação de cada sistema, cada módulo, cada observação é importante, porém, para pleno entendimento do software é necessário e fundamental que sua documentação esteja formatada de forma clara e bem estruturada, para fácil entendimento dos interessados no projeto.


Banco de dados do ensino superior: integrar informações e ampliar o acesso

Trilha: Cultura Livre

Adriana Gouvêa Dutra Teixeira
adrianadgt@yahoo.com.br


O artigo é a descrição do banco de dados do ensino superior de Minas Gerais, totalmente baseado em software livre e que busca integrar metadados dos bancos do INEP/MEC, CAPES e IGA, apresentando informações gerais e regionais, disponibilizando inclusive o mapa do estado, para que o usuário localize geograficamente a instituição que procura.


Blogs sobre software livre: o que se publica?

Trilha: Documentação em Software Livre

Joana Ziller

joana.ziller@gmail.com


A discussão sobre software livre se utiliza significativamente de recursos on-line. Entre eles, os blogs, que oscilam entre espaços de produção e reprodução de material publicado em outros veículos. O artigo propõe-se a analisar que tipo de conteúdo publicam os blogs mais acessados que tratam da temática do software livre.


Comunicação Virtual: As transformações dos símbolos lingüísticos através da interatividade dos usuários no MSN Mensseger.

Trilha: Comunidades Virtuais

Thales Aguiar.
thalesbento@hotmail.com


O MSN é uma ferramenta interacional no campo da comunicação que possibilita o usuário a troca de múltiplas mensagens de texto através de computadores. A conclusão de que as relações sociais desse novo meio de comunicação reformulam os símbolos lingüísticos é porque dão maior importância a iconicidade existente e a transferência de uma maior valorização visual e fonética do símbolo do que a escrita e a linguagem tradicional do português. De certa forma a linguagem virtual influência diretamente nos tradicionais símbolos lingüísticos e pode modificar a forma de como o indivíduo deve se comunicar em outros meios de comunicação.


Comunidade Fedora Brasil

Trilha: Comunidades Virtuais

Cristiano Furtado
jasonnfedora@gmail.com



Luciano Souza
kornbh@gmail.com



Criação de tutorial para sistema de agendamento

Trilha: Documentação em Software Livre

Francis Arthuso Paiva
paivafrancis@yahoo.com.br


O Sistema de Agendamento do Plenário da Câmara Municipal de Ouro Preto – MG é um software livre GNU/GPL que não possui tutorial de instalação e uso. O objetivo deste trabalho é verificar a usabilidade desse software a fim de se produzir um tutorial de uso que atenda a seus usuários. O software mostrou-se amigável, o que contribuiu para criação do tutorial de uso sem muitas dificuldades. Esperamos ter contribuído com os usuários dos sistemas desenvolvidos pelo setor de informática da Câmara Municipal de Ouro Preto.


Cultura Livre e Coletivos de Cultura - Circulação de bens culturais e interação entre os atores da cultura na Internet

Trilha: Cultura Livre

Priscila Maria de Barros Borges

priscilabborges@yahoo.com.br


O presente projeto pretende realizar análise semiótica, através da teoria da comunicação, do site colaborativo do !Iteia (http://www.iteia.org.br ). O objetivo do referido site é criar interação entre os coletivos de cultura do Brasil, possibilitando divulgação de ações e circulação de bens culturais. O diferencial de outros sites de relacionamento é que no !Iteia torna-se necessário estar vinculado a um coletivo de cultura para enviar contribuições.


Desenvolvimento do Software Livre Gcompris

Trilha: Divulgação de Software Livre

Giulliana Vieira Rocha
grocha@pipesys.com


O Gcompris é um software livre de caráter educacional direcionado a crianças entre 2 e 10 anos que abrange diversas áreas do aprendizado: informática, ciências, geografia, matemática, leitura e muitas outras. No momento, são mais de 100 atividades e como ele está em constante evolução, outras já estão sendo desenvolvidas. A análise semiótica que será realizada neste projeto diz respeito exatamente ao desenvolvimento do Gcompris: como são elaboradas as atividades, quem as elabora e como é realizado todo o processo criativo.


Diálogos lingüísticos entre matemática e língua materna

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Leni Nobre de Oliveira
arievila@terra.com.br


Os ensinamentos escolares da Matemática necessitam da Língua materna e, praticamente, só têm sido ensinados porque ancorados nela. Demonstraremos que esses códigos muitas vezes se aproximam na forma representativa e servem como práticas pedagógicas relevantes no ensino dessas disciplinas. A literacia, se associada à materacia, melhorará, além dos resultados na formação do leitor de textos alfabéticos, também a aprendizagem da matemática.



Documentação: Necessidade ou Preciosidade?

Trilha: Documentação em Software Livre

Hilda Simone Henriques Coelho
hildacoelho2003@yahoo.com.br


Neste trabalho pretendo discutir a importância da documentação para a criação e execução de um software, abordando a função de algumas ferramentas que ajudam e/ou facilitam aqueles que tem pela frente a tarefa de gerar documentação de sistemas. Como exemplificação, apresentarei parte da documentação de dois softwares, uma feita em linguagem estruturada e outra em linguagem não estruturada.



Ensino de línguas através da internet

Trilha: Ensino na Internet

Fabiane Aguiar
biafederal@hotmail.com





GCompris - Eu compreendi!

Trilha: Divulgação de Software Livre

Ana Paula Camelo
apc.camelo@gmail.com



Vinicius Wagner Oliveira Santos
viniciusgnu@gmail.com

 Universidade Federal de Viçosa 


Reportagem multimídia completa, divulgando o Software GCompris e o Projeto do Laboratório de Inclusão Digital do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Foram abordados origem, objetivos e o dia-a-dia desse projeto, além do histórico a respeito do software e algumas referências feitas a ele em âmbito nacional e internacional. O conteúdo foi trabalhado na forma de um Hotsite, de caráter multimídia, mesclando texto, imagens e vídeos sobre o software e o projeto.

Na página inicial do site www.gnu-lia.org está disponível o link para o trabalho.


Jogos virtuais e o ensino de língua espanhola

Trilha: Ensino na Internet

Elizabeth Guzzo de Almeida

eguzzoalmeida@gmail.com


As Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) passaram a exercer um papel de grande relevância nas mais diversas esferas do nosso cotidiano. A mediação digital vem modificando aspectos da produção, da comunicação e, assim, remodelando também atividades cognitivas como “a escrita, a leitura, a visão e a elaboração de imagens [...] o ensino e o aprendizado, [têm sido] reestruturados por dispositivos técnicos inéditos, [e] estão ingressando em novas configurações sociais” (LÉVY, 1998). Desse modo, o ensino e a aprendizagem sofrem os impactos gerados por essas mudanças. A utilização dos computadores no ensino tornou-se difundida na escola, e esse uso suscita uma redefinição da função docente e de novos modos de acesso aos conhecimentos. Nesse contexto, os jogos virtuais amplamente difundidos no universo juvenil vem sendo tema de estudos (GEE, 2003; SIKES; OSKOZ; THORNE, 2008; VALENTE; 2007) Este trabalho visa desenvolver um manual de possibilidades didáticas para o uso de jogos virtuais para o ensino de língua espanhola.

Referencias: GEE, J. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2003.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva. Trad. Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

SIKES, Julie M.; OSKOZ, Ana; THORNE, Steven L. Web 2.0, Synthetic Immersive Environments, and Mobile Resources for Language Education. CALICO Journal, 25(3), p. 528-546. 2008.

VALENTE, Carlos; MATTAR, João. Second Life e web 2.0 na educação: o potencial revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007.


Jornalismo digital: a relação intrínseca entre informação e internet

Trilha: Jornalismo na Internet

Josiane Pinto de Lima
josi_pl@yahoo.com.br


O jornalismo desenvolvido para a web nasce no início dos anos 90, e em 10 anos de história, os webjornais ainda são produtos em constante elaboração que passam por significativas mudanças a todo momento. O presente trabalho tem como foco enumerar os principais modelos e características de jornalismo web, apresentar o formato da notícia disponibilizada por tal produto e sistematizar como um todo os conhecimentos que viabilizem a compreensão sobre o tema, a relação da informação com a internet.



Jornalismo livre em forma e conteúdo

Trilha: Jornalismo na Internet

Juliano Pires
jupires_ufv@yahoo.com.br


Este trabalho propõe a discussão e o desenvolvimento de um jornalismo baseado na cultura livre, utilizando softwares livres, licenciando textos em commons, permitindo sua edição e possibilitando uma diversidade maior de linguagens para trabalho, como o newsgames, infográficos animados, fóruns de debates de pautas. É o desenvolvimento do jornalismo como processo.


Leitura de Tutoriais: Softwares Livres e Proprietários

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Fernanda Lanza
lanzafernanda@yahoo.com


Atualmente, a leitura ocupa um lugar importante na nossa sociedade e nas abordagens de ensino, tornando-se, sem dúvida, uma habilidade importantíssima para a aquisição e expansão do conhecimento. Autores como Grabe e Stoller (2002) consideram a leitura uma das habilidades mais importantes no meio acadêmico. Celce-Murcia e Olshtain (2000) também enfatizam a importância da leitura numa sociedade letrada onde um grande número de informações é disponibilizado através de textos escritos. Ao se trabalhar com softwares livres, a leitura também mostra-se uma habilidade relevante, uma vez que os usuários necessitam ler seus tutoriais e entender esses novos programas. Esse artigo descreve os tutoriais de alguns softwares livres e os compara aos tutoriais de softwares proprietários, refletindo sobre as características que auxiliam o leitor no seu entendimento.


Livro de Estilos na Wikipédia: entre a impessoalidade e a interação

Trilha: Blogs e Wikis

CARLOS FREDERICO DE BRITO D'ANDREA
carlosdand@gmail.com


O Livro de Estilos da Wikipédia é composto por uma série de recomendações de caráter lingüístico e editorial que deve ser seguida pelos usuários ao editar os artigos. Considerando que esse é um site construído a partir de interações entre os wikipedistas e que busca-se “apagar” marcas pessoais no produto em construção (os textos), nosso objetivo é verificar como o Livro de Estilos apresenta esta situação aparentemente conflituosa.



Phpwebquest e CmapTools: o papel da documentação no acesso aos softwares

Trilha: Documentação em Software Livre

Daniervelin Renata Marques Pereira

daniervelin@yahoo.com.br


Durante a palestra serão apresentados mais detalhes sobre a documentação dos dois softwares citados e uma discussão sobre suas características específicas.


Práticas de letramento Digital

Trilha: Ensino na Internet

Daniele Cristina Mendes
dcmendes_ufmg@yahoo.com.br


As mudanças sócio-político-econômicas integradas ao uso da tecnologia na sociedade solicitaram algumas mudanças no comportamento dos sujeitos no ambiente digital. O avanço tecnológico influenciou também a maneira como as pessoas se relacionam com escrita e a leitura. A conexão de textos através dos links digitais alterou o processo de escrita e todas as suas relações e implicações com a leitura, tendo esta, reafirmado que os seus protocolos condicionam-se ao contexto sócio-histórico. A construção e a leitura dos hipertextos demandam uma forma particular de organização do pensamento, no hipertexto o que foi lido anteriormente re-significa as leituras, sugerindo um processo não linear de construção de sentidos como nos textos impressos. Dessa forma o letramento digital reclama por um lado, intimidade com algumas práticas de leitura tradicionais e, por outro lado, o exercício de capacidades específicas para o meio. A publicação de textos na internet é um campo rico em enunciação discursiva, onde as identidades sociais são constituídas pelo/no discurso. A própria construção de links pelos autores nos revela todas as leituras que foram legitimadas e que se tornaram objeto (explícito) de leitura para os outros sujeitos. O processo de criação enunciativa discursiva na internet agrega a concepção de “leitor-modelo” (ECO, 1994) ou seja, o leitor que participa como colaborador e ao mesmo tempo sofre a influência do texto. É necessário compreender que esse autor na visão bakhtiniana ao enunciar está revelando sua maneira e seu lugar de dizer através das suas estratégias lingüísticas e que todo enunciado tem um autor e um destinatário. (Bakhtin, 1997). A percepção da construção da linguagem na internet passa primeiramente pelo ato reflexivo dos sujeitos, pois a utilização dos gêneros em um novo suporte é determinada por escolhas que satisfaçam as necessidades comunicativas no meio. Estas necessidades que surgiram devido ao uso do computador no processo enunciativo aliado as alterações de construção de sentidos pela presença do hipertexto eletrônico propõem a existência de novos gêneros textuais. As várias semioses presentes no meio e a imaterialidade do texto, aspectos da escrita no ciberespaço, dão aos diferentes estilos de texto formas textuais diferenciadas, nos remetendo à idéia de que os diferentes suportes determinam diferenças entre os gêneros no meio digital.


Primeiras impressões do software livre

Trilha: Documentação em Software Livre

Júnia Guedes Machado
juca_ju17@yahoo.com.br


Primeiras impressões do software livre Este trabalho pretende apresentar e discutir impressões ao se entrar em contato, pela primeira vez, com a idéia de software livre e todo aparato que subsidia sua aplicação, uso e eficácia. É interessante perceber como estamos acostumados com determinados instrumentos que nos são “apresentados” (impostos) desde muito e como parece complexo tentar abrir espaço para uma novidade, mesmo que possa trazer maiores benefícios. Dentro dessa perspectiva, serão também discutidos alguns aspectos da semiótica.


PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO COLABORATIVA DA ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO FÓRUM EM AMBIENTE DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA

Trilha: Ensino na Internet

Carolina Scavazza
carolina.scavazza.baldochi@gmail.com


Compreender o gênero Fórum como uma ferramenta possibilita além de mecanismos para a utilização dessa ferramenta no ensino, como também ajuda-nos na compreensão da transformação do professor atuante nesse meio, pois a ferramenta Fórum não é uma mera ferramenta de uso no processo ensino e aprendizagem, ela é também responsável pela formação do pensamento crítico e interação social.


Produção textual e programas de computador

Trilha: Produção Textual no computador

Laura Diniz Silva Santos
lauradss@hotmail.com


               Este trabalho foi desenvolvido com o intuito de produzir um README para leitura dos carimbos TuxPaint, programa educativo destinado a incentivar a criatividade das crianças utilizando ferramentas simples de desenhos no computador.

Estabelecemos como ponto de partida o README publicado junto à primeira versão do programa, sendo nosso principal objetivo desenvolver um arquivo completo, apto a esclarecer todas as possíveis dúvidas quanto à finalidade do produto, os arquivos necessários a sua instalação e à instalação propriamente dita. Não podemos perder de vista que o “consumidor final” dos programas de computador geralmente não apresenta conhecimentos técnicos, razão pela qual a linguagem utilizada deve ser a mais clara e objetiva possível. Nesse sentido é que se deve perquirir a cerca da natureza do conceito do arquivo. A partir de uma perspectiva semiótica, que consiste na análise sistemática dos elementos formadores da significação ou representação, buscamos construir o arquivo de uma maneira simples e prática. Essa noção será aprofunda ao longo do trabalho.


Programa de tradução automática: revisão humana ainda necessária.

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Oswald Stuart
wado88@hotmail.com


Os programas de tradução automática apresentam inúmera limitações requerendo a interferência humana no processo de revisão das traduções automatizadas. Portanto, o presente projeto pretende mostrar as dificuldades que passam os revisores no processo de correção das traduções automatizadas, focalizando os aspectos do processo comunicacional e narrativo da linguagem abordados na disciplina de Oficina de Texto(let034) da faculdade de Letra da UFMG.



Que bicho é esse? Criando um padrão para a tradução de nomes de animais e plantas no software TuxPaint

Trilha: Documentação em Software Livre

Maryualê Malvessi Mittmann

maryuale@ufmg.br



Rodrigo Quintanilha Véras
rodveras@gmail.com


Apresenta-se uma proposta de criação de uma documentação que sirva como referência para a tradução dos carimbos de animais e plantas do software TuxPaint, de modo que possa ser utilizada como referêcia futura para a tradução destes carimbos em diversas línguas.


Reflexões sobre aulas online de Língua Portuguesa

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Mariana Samos Bicalho Costa Furst
nanafurst@yahoo.com.br


O presente artigo tem como objetivo principal a análise das aulas online da disciplina “Leitura e Produção de textos” de Língua Portuguesa, ministradas pela autora, no curso de graduação da Universidade Federal de Minas Gerais, no ano de 2008. Nessa análise evidenciou-se a familiaridade dos alunos com os recursos disponíveis no programa Teleduc, bem como as expectativas e frustrações da educadora com relação à interação dos educandos em atividades individuais e/ou em grupo.




Seja Audacity na criação de Podcasts: a união do Software livre e da Web 2.0 no ensino de língua estrangeira.

Trilha: Linguagem e Tecnologia

Vanessa C. Rodrigues Bohn
nessa_ufmg@yahoo.com.br


Web 2.0 e software livre são termos ainda novos para os professores de língua estrangeira. Com essa nova fase na rede mundial de computadores, a participação dos internautas tornou-se mais interativa e dinâmica. Partindo da idéia colaborativa, o presente artigo tem por finalidade apresentar a ferramenta Podcasting e o Software de edição de áudio Audacity na criação de material didático no ensino de língua estrangeira.


Texto Livre - porque documentação?

Trilha: Documentação em Software Livre

Ana Cristina Fricke Matte
ana@semiofon.org


Trabalhar com documentação em software é a opção inicial para a maioria dos usuários iniciantes que desejam colaborar com a comunidade de software livre em geral. Este trabalho vai desde relatos de experiências como iniciantes até tradução de artigos e produção de tutoriais para usuários finais. Talvez em virtude dessa recorrência, é possível perceber um certo preconceito na comunidade de software em relação à produção de documentação: documentar seria preocupação de iniciantes. No entanto, a documentação é vital para a continuação e crescimento do software livre. O Texto Livre é um grupo interdisciplinar entre os estudos da linguagem e o software livre que vem trabalhando no sentido de valorizar a produção de documentação adequada e de qualidade para o software livre.


Tradução em software livre: uma experiência singular

Trilha: Divulgação de Software Livre

Tânia Maria de Oliveira Gomes

tantan.maria@hotmail.com


Com base na teoria Semiótica e nos conhecimentos adquiridos com a utilização do EDUSOL, a palestra discutirá o uso de softwares livres atrelados a tradução. Será analisada a relação custo-benefício produzida durante este processo.


Tutoriais orientam?

Trilha: Documentação em Software Livre

Maria Teresa Abrahão de Araújo
teresaabrahao@globo.com


Os softwares livres vieram para ficar e não há como contestar esta afirmação, uma vez que hoje existe, comprovadamente, uma migração nas maiores empresas privadas e públicas para o software livre. Exemplo disso foi o recente lançamento de software próprio utilizado pelas Unidades Lotéricas no Brasil, a implantação em todas as escolas públicas brasileiras de programas livres nos computadores utilizados por essas instituições e outros tantos casos já divulgados nos vários meios de comunicação nacional e internacional. Tendo em vista essa tendência mundial, considera-se necessário um levantamento da real situação desses softwares livres quanto à informação e orientação disponíveis em seus tutoriais para seu efetivo uso por principiantes e/ou leigos. Para tanto, decidiu-se pelo uso do software Edubuntu, uma vez que se trata de um software elaborado sob abordagem educativa.


Um olhar no futuro - os softwares livres na produção jornalística

Trilha: Documentação em Software Livre

Vinicius Wagner Oliveira Santos
viniciusgnu@gmail.com



Ana Paula Camelo
apc.camelo@gmail.com

 Universidade Federal de Viçosa 


A Revista Degrau surgiu com o objetivo de estudar e exemplificar a possibilidade e viabilidade do uso de softwares livres na produção jornalística como uma alternativa viável operacional e financeiramente, seguindo uma tendência do mercado corporativo brasileiro, ainda pouco conhecida e apreciada por grande parte dos profissionais da área. O estudo apresentado traz uma amostra da aplicação prática desses softwares por meio de uma publicação especializada no tema, a Revista Degrau. O periódico foi confeccionado apenas com o uso de programas livres. A pesquisa foi feita com 40 estudantes de jornalismo e 15 jornalistas atuantes na cidade de Viçosa que responderam questionários pertinentes ao tema.